OCDE está otimista com Brasil, mas alerta sobre reformas

A economia brasileira apresentou progressos relevantes nos últimos anos e tem condições de iniciar a partir de agora uma rota de crescimento sustentável. Mas para alicerçar e acelerar esse ciclo positivo o País precisa aprofundar o processo de reformas estruturais e microeconômicas que melhorem o ambiente para negócios e atraiam mais investimentos. Um crescimento econômico maior e constante é fundamental para que o País possa combater as suas enormes desigualdades sociais.Esse tom positivo, mas com ressalvas, deverá nortear a segunda pesquisa elaborada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre o Brasil, conforme apurou a Agência Estado. Um resumo da Survey sobre o País deve ser divulgado até o Natal e a íntegra do estudo provavelmente será lançada em fevereiro de 2005 num evento no Brasil.O otimismo cauteloso expressado pela OCDE parte do princípio que as atuais políticas fiscal e monetária ortodoxas adotadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva serão preservadas. Segundo o estudo, o Brasil tem gradualmente reduzido as suas vulnerabilidades ao longos dos últimos anos, mas não ao ponto de estar a salvo de eventuais choques financeiros no futuro.Por isso, segundo a OCDE, a necessidade de continuidade do processo de reformas que atraiam mais investimentos, para que a economia brasileira possa crescer de uma maneira mais acentuada sem pressões estruturais, num ritmo condizente com as necessidades do País. A OCDE sugere também a necessidade de se buscar maior eficácia nas políticas voltadas à área social.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.