OCDE sugere mais agilidade ao País em casos de suborno

Segundo relatório da Organização, mudança nas leis asseguraria sanções adequadas para corrupção

Daniela Milanese, da Agência Estado,

18 de dezembro de 2007 | 15h26

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) avalia que o Brasil deveria reformar rapidamente sua legislação para fazer com que as empresas sejam diretamente responsáveis em casos de pagamento de suborno a funcionários públicos estrangeiros. Segundo a entidade, uma mudança das leis deveria assegurar que sanções efetivas e adequadas sejam aplicadas em casos de corrupção. Além disso, a OCDE apóia esforços para que todas as grandes companhias brasileiras publiquem seus resultados financeiros e adotem auditoria independente. As recomendações constam do relatório do grupo de trabalho sobre o tema desenvolvido pela entidade. O documento também sugere que o Brasil deveria ser mais proativo em detectar, investigar e processar casos de corrupção internacional. Conforme a OCDE, também é preciso que o País incremente seus esforços para combater os casos de suborno tanto no setor público como no privado. O grupo de trabalho também destacou aspectos positivos dos esforços do Brasil na luta contra casos de suborno internacionais, o que inclui o uso de técnicas investigativas especiais pelas autoridades para descobrir complexos crimes econômicos e casos de corrupção. "Outro avanço promissor é o atual trabalho das autoridades brasileiras para ajustar o sistema de combate à lavagem de dinheiro", diz o relatório.

Tudo o que sabemos sobre:
OCDECorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.