Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

OCDE vê contração econômica de 0,3% no Brasil neste ano

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu sua previsão para a economia mundial nesta terça-feira, prevendo agora uma contração de 4,3 por cento em 2009, ante estimativa anterior de queda de 0,4 por cento.

REUTERS

31 de março de 2009 | 09h54

Para o Brasil, o grupo também projeta uma retração neste ano, de 0,3 por cento, e vê uma recuperação em 2010 para um crescimento de 3,8 por cento.

"A economia mundial está no meio de sua mais forte e mais sincronizada recessão da história, causada pela crise financeira global e aprofundada pelo colapso do comércio mundial", afirmou o grupo.

"Acreditamos que a atual contração da atividade econômica vai piorar neste ano, antes da recuperação induzida por políticas gradualmente tome forma ao longo de 2010."

Sobre o Brasil, a OCDE disse ver espaço para mais afrouxamento monetário até meados do ano, em razão da amenização das pressões inflacionárias decorrentes da menor atividade. A previsão de inflação é de 4,3 por cento neste e no próximo ano.

"Tanto a demanda doméstica como as exportações devem continuar fracas durante a maior parte de 2009. A atividade deve retomar o dinamismo no fim do ano e em 2010, devido a um mix de políticas", disse o grupo.

"Melhores condições de crédito em meio ao afrouxamento monetário corrente... somadas ao aumento nas transferências do governo para os consumidores devem melhorar o consumo privado."

A OCDE alertou apenas que o ritmo da recuperação brasileira pode ser abalada no caso de uma maior deterioração global, com destaque para pioras nos principais países que recebem exportações do Brasil.

"A recuperação pode também ser adiada caso os juros subam devido a uma deterioração maior que a esperada nas finanças públicas."

O economista-chefe da OCDE, Klaus Schmidt-Hebbel, disse que o desemprego nos países do G7 deve praticamente dobrar, para 36 milhões de pessoas, enquanto na região da OCDE deve aumentar em 25 milhões até o fim de 2010.

(Por Anna Willard)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROOCDEATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.