finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

OceanAir assume vôos fretados da BRA neste fim de semana

Governo e empresas estudam ampliar acordo para vôos comerciais a partir de segunda-feira

Alberto Komatsu, O Estadao de S.Paulo

10 de novembro de 2007 | 00h00

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou ontem um acordo entre a BRA e a OceanAir para garantir a viagem dos passageiros da BRA que adquiriram pacotes turísticos para hoje e amanhã. Três aviões serão utilizados, sendo dois da BRA e um da OceanAir, que vai se responsabilizar pela operação. Os vôos em aviões da BRA serão operados por tripulação e demais profissionais da própria companhia, mas eles não podem ter recebido aviso prévio. Na terça-feira, quando anunciou a suspensão de seus vôos, a BRA comunicou que os 1.100 funcionários receberiam aviso prévio. Um inspetor da Anac vai acompanhar os vôos realizados com aviões da BRA.A Anac também informou que esse acordo está restrito aos vôos fretados. O governo e as duas empresas "estão estudando a melhor forma para que o acordo seja o mais amplo possível, permitindo, já no início da semana, à OceanAir operar os vôos comerciais regulares da BRA com aeronaves e tripulação da própria BRA", disse a Anac. O acordo anunciado na noite de ontem é diferente do que o ministro da Defesa, Nelson Jobim, chegou a anunciar durante a tarde. Segundo o ministro, "dentro de alguns dias" a OceanAir iria assumir a operação da BRA, utilizando aviões e tripulação da companhia que parou de voar na quarta-feira, com uma dívida estimada em US$ 100 milhões. A Anac chegou a divulgar um comunicado ontem informando que o governo negociava um acordo com "companhias aéreas" para solucionar a situação da BRA, mas depois concentrou a negociação com a OceanAir. A WebJet, do grupo CVC, anunciou que tinha interesse em assumir rotas da BRA e até oito aviões. "É uma responsabilidade que tem o governo de solucionar um problema que criou uma dificuldade para 70 mil pessoas. É um dever nosso", disse Jobim, após palestra na Escola Superior de Guerra, no Rio. "Com isso, resolvemos a questão BRA para depois encontrar uma solução definitiva nas negociações BRA/OceanAir. Com isso esperamos pacificar o setor nesse aspecto."O modo pelo qual a OceanAir vai operar os aviões da BRA "é uma espécie de leasing, mas não é leasing", segundo Jobim. O ministro afirmou que será uma locação operada economicamente pela OceanAir. MERCADOEstatísticas do mês de outubro divulgadas ontem mostram que Gol e TAM estão cada vez mais próximas no mercado brasileiro. A diferença entre as duas líderes, que era de 15,7% em outubro do ano passado, caiu para 4,3%. A líder TAM perdeu participação e ficou com 46,56%. A perda se mostra tanto na comparação com outubro de 2006 (50,97%) quanto com setembro deste ano (48,15%). Já a Gol registrou participação de 42,2%, crescimento de 3,2 pontos em relação a setembro e de quase 7 pontos em relação ao ano anterior. Dentre as empresas menores, VRG e OceanAir tiveram leve alta. A VRG ficou com 2,73%, ante 2,5% em setembro. A OceanAir ficou com 2,94%, ante 2,61%. A BRA caiu de 4,60% para 2,47%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.