Odebrecht diz ter interesse no pré-sal 'como todo brasileiro'

Grupo está focado nas áreas de petroquímica e etanol para ser prestador de serviços ou investidor

Alberto Komatsu, da Agência Estado,

17 de setembro de 2009 | 16h10

O presidente do conselho de administração do Grupo Odebrecht, Emílio Odebrecht, afirmou nesta quinta-feira, 17, que a empresa tem interesse no pré-sal, "assim como todo brasileiro deve ter". De acordo com o executivo, o grupo está muito focado nas áreas petroquímica, de etanol e em diversos outros segmentos nos quais a Odebrecht possa ser prestadora de serviços ou Investidora.

 

Veja também:

especialO novo marco regulatório do petróleo

especialO caminho até o pré-sal

especialMapa da exploração de petróleo e gás 

 

Referindo-se ao pré-sal, ele disse que "temos de olhar aquilo que é uma riqueza brasileira não de forma ideológica. É uma riqueza que o Brasil tem. Vamos nos unir para ver como é a melhor forma para explorá-la".

 

O executivo afirmou que o único segmento que não desperta muito interesse da empresa é a concessão de aeroportos. "Essa talvez seja a área em que menos estamos envolvidos, não é a área que estamos colocando como prioridade", afirmou Odebrecht que não descartou, no entanto, a possibilidade do grupo investir nesse setor no futuro. "Não que não seja uma coisa que possamos nos interessar, mas seria muito mais para atender uma lacuna, não é o nosso foco principal", acrescentou ele.

 

Indagado sobre o interesse da empresa na usina de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará, o executivo respondeu que "sempre estamos estudando toda aquela região, mas a decisão é do governo". O executivo participou do Fórum Especial que está sendo realizado hoje na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Tudo o que sabemos sobre:
Odebrechtpré-sal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.