coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Odebrecht e Andrade Gutierrez criticam programa de concessão

Para Odebrecht, governo peca no processo de gestão; presidente da Gutierrez cobra 'segurança jurídica'

MARIANA DURÃO, VINICIUS NEDER / RIO, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2013 | 02h06

O programa de concessões do governo federal foi alvo de pressões da Odebrecht e da Andrade Gutierrez no segundo dia do 25.º Fórum Nacional, realizado pelo Instituto de Altos Estudos (Inae), ontem, no Rio. Uma semana após o ministro da Fazenda, Guido Mantega, aumentar de 5,5% para 7,2% a taxa interna de retorno (TIR) para as concessões dos 7,5 mil km de rodovias a serem entregues ao setor privado, a rentabilidade dos projetos foi posta em xeque.

O presidente do Conselho de Administração da Organização Odebrecht, Emílio Odebrecht, disse que o governo se move no sentido correto para desenhar as concessões em infraestrutura, mas precisa elevar mais as taxas de retorno e melhorar a relação entre Executivo e Congresso. A afirmação foi feita em referência ao impasse na tramitação da medida provisória dos portos.

"A intenção do governo é a melhor possível. Agora, está pecando no processo de gestão, de fazer as coisas acontecerem", afirmou Odebrecht a jornalistas, após dar palestra no Fórum Nacional.

Sobre as taxas de retorno nos projetos de concessão em geral, Odebrecht defendeu maior rentabilidade. "Qualquer coisa abaixo de 10% vai gerar dificuldades no mercado", completou o empresário.

Na esteira da mudança da taxa para as rodovias, o presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, já admitiu que a taxa de retorno do projeto do trem-bala e das ferrovias poderá ser ampliada.

Já o presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, afirmou que o grupo estuda participar de concessões em todas as áreas de - rodovias, portos, aeroportos e hidrovias -, mas condicionou a participação à segurança jurídica do processo. Isso significa que o governo deveria dar garantias para "ampliar o apetite de risco" do investidor, como seguro de risco de desempenho, financiamento, seguro de garantia, além de taxas de retorno atraentes.

"Se não tiver lucro, não vamos reinvestir e a iniciativa privada não vai participar (das concessões)", disse Azevedo. "Projeto de infraestrutura tem de ter atrativos, mas não é para aventureiros", completou, em palestra.

Greves. Os movimentos sindicais foram duramente criticados por Emílio Odebrecht, para quem sua atuação é baseada na "premissa do confronto".

A Odebrecht e outras grandes construtoras nacionais vêm enfrentando seguidos embates e greves de operários em canteiros de obras de grandes estádios e de hidrelétricas, como Belo Monte, Jirau e Santo Antônio.

O empresário classificou os conflitos entre capital e trabalho de "anacrônicos" e como uma "crise do estado de greve". A baixa produtividade no País é tida como uma grande preocupação das empresas brasileiras.

"Estudos demonstram que nos anos 70, mais de 30 anos atrás, para cumprir as mesmas tarefas e produzir o mesmo precisávamos de 30% menos mão de obra", disse Odebrecht. Segundo ele, apesar da evolução dos equipamentos, o País caminhou para trás no custo e produtividade do fator humano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.