Odebrecht: oferta pública ainda suspensa

O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu manter suspensa a oferta pública das ações da Odebrecht S.A. Ficou decidido que uma nova operação com ações da companhia só poderá ser feita 30 dias após a empresa cumprir todas as exigências determinadas pela autarquia.A diretora da CVM, Norma Parente, explicou que a autarquia recebeu uma série de reclamações de acionistas minoritários sobre a oferta e optou por pedir informações complementares. Surpreso com a decisão, o diretor da empresa, João Batista Paiva Chaves, reafirmou a intenção de fechar o capital da Odebrecht assim que todas as informações solicitadas pela autarquia forem prestadas. A Comissão quer que a Odebrecht informe o valor patrimonial e econômico da ação e explique porque ficou decidido o critério de cotação mais prêmio para a oferta se o papel tem baixo volume de negócios no mercado. A companhia precisa colocar à disposição dos acionistas nova avaliação sobre o valor da oferta, encaminhar uma lista com endereço dos acionistas e publicar um fato relevante sobre a operação de descruzamento de participações com a Unipar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.