JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Odebrecht paga dívida de R$ 500 milhões vencida em abril

Empresa comunicou ontem o fechamento do acordo com os bancos para liberar empréstimo de R$ 2,6 bilhões

Cynthia Decloedt, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2018 | 04h00

A Odebrecht Engenharia e Construção pagou ontem os R$ 500 milhões em títulos vencidos em abril e US$ 11 milhões (R$ 40 milhões, pela cotação de ontem) em juros referente aos títulos de 2025. Para fazer o pagamento, bancos anteciparam parte dos R$ 2,6 bilhões de empréstimo para o grupo. Do total acordado com os bancos, a Odebrecht vai destinar R$ 1,32 bilhão (incluindo o volume liberado ontem) para a construtora ao longo de 2018.

O grupo oficializou ontem o acordo firmado com os bancos, conforme antecipou o Estado. Em nota, a empresa confirmou que os R$ 2,6 bilhões serão divididos igualmente entre Itaú e Bradesco, e liberados em duas etapas: uma agora, no valor de R$ 1,7 bilhão; e outra de R$ 900 milhões, até o fim do ano.

O acordo envolveu também Banco do Brasil, Santander e BNDES, pois teve como lastro a valorização de ações da Braskem usadas como garantias de empréstimos anteriores junto a essas instituições. “A conclusão da negociação com os bancos também traz mais segurança à Odebrecht para honrar seus compromissos financeiros, inclusive os decorrentes dos acordos assinados com as autoridades no âmbito do seu Acordo de Leniência, e continuar na sua trajetória de transformação e crescimento”, destaca a companhia.

“Além de ser mais uma demonstração de confiança do sistema financeiro, o acordo que acabamos de assinar é a maior prova da confiança dos acionistas na capacidade dos nossos integrantes e nas qualificações técnicas das empresas do Grupo para a entrega de produtos e serviços de qualidade, em especial da Odebrecht Engenharia e Construção”, afirmou, em nota, o diretor-presidente da Odebrecht S.A., Luciano Guidolin.

Com o acordo fechado, agora a empresa deve concentrar seus esforços numa solução para a petroquímica Braskem e na venda de outros ativos do grupo. 

Mais conteúdo sobre:
Odebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.