Marcos Arcoverde|Estadão
Marcos Arcoverde|Estadão

Odebrecht Transport renegocia dívida com bancos e busca sócio para rodovias

Sem conseguir liberação de crédito de R$10 bi do BNDES, empresa de transportes do Grupo Odebrecht admite que pode parar obras no 1º trimestre de 2016; só na área de portos, companhia tenta alongar débitos de R$ 2 bi com seis instituições

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2015 | 03h00

Até um ano atrás, o principal foco da Odebrecht Transport, braço de transporte e mobilidade urbana do Grupo Odebrecht, era procurar oportunidades de investimentos para ampliar a estrutura da empresa. Mas a crise econômica e a Operação Lava Jato, envolvendo a Construtora Norberto Odebrecht, mudaram o rumo dos negócios. Hoje, a prioridade é renegociar dívidas com bancos, buscar financiamentos para projetos em andamento e encontrar sócios estratégicos para reforçar o capital.

“Gasto 70% do meu tempo com questões ligadas a financiamentos”, diz Paulo Cesena, presidente da Odebrecht Transport, empresa que foi protagonista dos últimos leilões realizados pelos governos federal e estadual. Responsável por 5% das receitas do grupo, tem em seu portfólio concessões como a do Aeroporto do Galeão e Supervia, no Rio; BR-163, em Mato Grosso; Linha 6 e Linha 4 do Metrô, em São Paulo.

A Odebrecht Transport, que tem como um dos principais sócios o FI-FGTS (fundo de investimentos com recursos do Fundo de Garantia), mantém quatro unidades que administram ativos de rodovias, mobilidade urbana, portos e aeroportos. Em quase todas, há questões financeiras pendentes que precisam ser resolvidas. Na Embraport, empresa dona de um dos terminais portuários mais modernos de Santos, construído em parceria com a Dubai Port Word (DPW), Cesena diz que está tentando renegociar a dívida de R$ 2 bilhões com seis instituições financeiras.

O objetivo é alongar o financiamento, cujas amortizações semestrais já estão sendo pagas, e adequar a dívida à geração de caixa. Com o volume menor de comércio exterior, especialmente de importações, a movimentação em Santos caiu e as receitas ficaram abaixo das projeções, diz Cesena. Segundo ele, a expectativa é fechar um acordo até dezembro.

Outro problema que tem tirado o sono do executivo são os financiamentos de longo prazo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para as obras do Galeão, da BR-163 e da Linha 6 do Metrô. No total, a companhia pleiteia um crédito de R$ 10 bilhões. Enquanto o financiamento não sai, os investimentos estão sendo feitos com dinheiro de empréstimos-ponte (um empréstimo de curto prazo feito até sair o de longo prazo). Foram liberados R$ 3 bilhões.

O problema é que esses empréstimos vencem no primeiro trimestre de 2016. Se até lá o BNDES não liberar os recursos, as obras podem ser paralisadas por falta de dinheiro. Cesena diz que o banco está exigindo uma série de garantias que antes não eram necessárias. Perguntado se essa dificuldade não está relacionada com a Lava Jato, ele nega e afirma que é reflexo da crise econômica, uma vez que quem está envolvida no escândalo é a construtora.

No mercado, a interpretação é outra. Segundo fontes, parte dos entraves é, sim, reflexos da Lava Jato. Se para todo o setor privado está mais complicado conseguir crédito, para as empresas envolvidas no escândalo a dificuldade é dobrada.

Uma sondagem da Fundação Getúlio Vargas mostra que a preocupação das empresas de infraestrutura com o crédito quase triplicou nos últimos 12 meses por causa da alta dos juros, perda do grau de investimento e Lava Jato. Em setembro de 2014, 11,7% das empresas citavam o acesso ao crédito como “fator limitativo”. No mês passado, 30,6% apontaram o crédito como problema.

Alternativa. Uma iniciativa da Odebrecht Transport para reforçar o caixa é buscar um sócio para a empresa de rodovias, que detém a concessão de 1,7 mil km. Mas Cesena diz que essa sempre foi uma estratégia do grupo. Todas as outras unidades de negócios têm sócios. Em mobilidade, a parceira é a Mitsui; em portos, a DPW; e em aeroportos, a Changi. Em rodovias, Cesena diz que conversou com alguns potenciais investidores, mas que não há negociação perto de ser concluída.

O fato é que diante do atual cenário, a Odebrecht Transport quer focar seus negócios nas concessões. Para isso, tem avaliado ativos não estratégicos para se desfazer. O primeiro deles foi a ConectCar – empresa de pagamento de pedágio, estacionamento e combustíveis – vendida semana passada para o Itaú Unibanco. A companhia embolsou R$ 150 milhões com o negócio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.