Oferta de energia pode prejudicar produção de alumínio, diz Vale

A produção de alumínio no Brasil podeser prejudicada pela incerteza sobre a oferta de energiaelétrica e seu preço. O aviso foi dado hoje (2) pelo presidenteda Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Roger Agnelli, ao ministrodo Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, SérgioAmaral. O empresário informou que a CVRD pretende abrir emParagominas (PA) uma nova mina para produção de bauxita, queserá vendida para uma empresa do grupo, a Alunorte. Esta empresa, segundo Agnelli, produzirá a matéria-primaalumina, utilizada na produção de alumínio primário. Ela poderiaser vendida para uma outra empresa do grupo, a Albrás, que hojejá exporta US$ 700 milhões por ano em alumínio. No entanto,segundo o presidente da CVRD, a Alunorte, em função do que elechama de falta de previsibilidade no setor de energia, deveráexportar a alumina. Agnelli disse ter alertado o ministro de que, com isso,o Brasil estará deixando de exportar valor agregado. Observouque o preço da tonelada de alumina é de R$ 200, enquanto que oalumínio primário é vendido a preço que varia entre US$ 1.500 eR$ 1.800 a tonelada. Segundo Agnelli, é necessário que sejam regulamentadasas regras de produção e uso da energia da Eletronorte. Paraexemplificar, disse que a venda de energia pela Eletronorte,hoje, é feita em leilões com contratos de dois anos e que, parao tipo de investimento que a CVRD está pretendendo, precisa deum contrato de 15 anos, para ter garantia de fornecimento deenergia. Segundo o presidente da CVRD Amaral foi informado que acompanhia pretende investir US$ 6 bilhões em cinco anos e US$ 8bilhões em oito anos. A empresa está capitalizada e temrealizado investimentos próprios. Ele lembrou que 85% da receitada empresa é resultado de exportações, principalmente para osmercados da Europa e Ásia. Atualmente, segundo Agnelli, a CVRD não tem interesse emobter financiamentos e aguarda uma estabilização da economiapara que possa captar recursos a custos mais baixos. Segundo oempresário, reduzir o custo de capital é muito importante paraaumentar o retorno da companhia. "A Vale está muitocapitalizada, não nos interessa obter financiamento, a não serque seja em longuíssimo prazo e com custo compatível com ovolume que queremos investir", afirmou Agnelli.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.