OGX estima entre 1 e 2 bi de boe a reserva em Pipeline

A OGX afirmou nesta terça-feira ter encontrado no poço OGX-2A, conhecido como Pipeline, um volume total recuperável entre 1 bilhão e 2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), de acordo com comunicado enviado ao mercado.

REUTERS

22 de dezembro de 2009 | 20h25

O anúncio foi feito após a finalização da perfuração no poço, situado no bloco BM-C-41, em águas rasas da bacia de Campos, onde a empresa encontrou indícios de hidrocarbonetos em cinco diferentes reservatórios (eoceno, cretáceo superior, albiano, aptiano e barremiano).

"Com base nas informações obtidas na perfuração do poço, associadas à interpretação dos dados sísmicos 3D, a OGX estima um volume total de óleo recuperável para todos os reservatórios entre 1 e 2 bilhões de barris", declarou a empresa em nota.

A finalização dos trabalhos no poço permitiu que a empresa elevasse as estimativas de petróleo para o local --quando a OGX terminou os trabalhos no segundo reservatório de Pipeline, havia estimado um volume entre 400 e 500 milhões de barris de óleo equivalente.

Análises preliminares também indicam óleos mais leves nos reservatórios mais profundos, destacou a empresa sobre os testes realizados em Pipeline.

"O poço OGX-2A nos permitiu confirmar o vasto potencial petrolífero da parte sul da bacia de Campos e acreditamos que esta região se tornará um importante pólo produtor de petróleo no Brasil", comentou Paulo Mendonça, diretor-geral da OGX.

A OGX, maior empresa privada em termos de área marítima de exploração do Brasil, detém 100 por cento de participação no bloco BM-C-41.

No mesmo bloco, no poço OGX-1, conhecido como Vesúvio, a empresa já estimou ter descoberto entre 500 milhões e 1,5 bilhão de barris de óleo equivalente em reservas. A perfuração em OGX-1 também já foi concluída.

No bloco BM-C-41, a empresa ainda explora o poço OGX-3 (Waimea), onde a OGX anunciou nesta semana indício de petróleo.

A perfuração de Waimea continua em andamento.

(Por Roberto Samora)

Tudo o que sabemos sobre:
PETROLEOOGX*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.