OGX termina 2011 sem extrair o 'primeiro óleo'

Com 15 dias de atraso e sem que a empresa OSX firmasse o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) exigido pelo Ministério Público do Trabalho, o navio-plataforma OSX-1 zarpou do porto do Rio, no dia do Natal. A demora frustrou o empresário Eike Batista. Já estava montada a campanha de marketing para divulgar a extração, ainda em 2011, de sua primeira carga de petróleo.

SERGIO TORRES / RIO , O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2011 | 03h03

O "primeiro óleo" deveria ser extraído na última semana do ano, no aniversário de dois anos da descoberta de Waimea, o campo que entrará em produção na Bacia de Campos, litoral do Estado do Rio. O tempo recorde entre a descoberta e o "primeiro óleo" seria saudado como marca do empreendedorismo e da agilidade de Eike. Waimea é explorado pela petroleira OGX, também do empresário.

O prazo foi perdido. Quando o navio chegou de Cingapura, em outubro, o Ministério do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho proibiram a saída até a correção de cerca de 40 irregularidades a bordo, principalmente na área de segurança, constatadas por auditores.

A OSX informou ter feito os consertos devidos, mas a partida até Waimea, prevista para 10 de dezembro, não ocorreu. Apenas no dia 14 a OSX e a OGX admitiram que a meta do "primeiro óleo" em 2011 não poderia ser mais alcançada, ao divulgar novo calendário para a operação do navio-plataforma. Agora, a data para a extração pioneira é 23 de janeiro de 2012.

O comunicado das empresas do EBX não cita a razão do atraso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.