finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

OHL enfrenta problemas em obras na Régis Bittencourt

A OHL Brasil segue enfrentando problemas para conseguir completar as obras na Rodovia Régis Bittencourt. O motivo é a dificuldade de obter a Licença de Instalação (LI) para o trecho da via que corta a Serra do Cafezal.

LUCIANA COLLET, Agencia Estado

24 de abril de 2012 | 18h05

Segundo o diretor de relações com investidores da companhia, Alessandro Levy, a companhia espera obter até o final do ano a LI para um trecho de 19 quilômetros de serra, de forma que a companhia possa cumprir seu cronograma de concluir as obras para a Copa de 2014.

De acordo com Levy, para agilizar o processo, a companhia já dividiu o percurso total da rodovia que corta a Serra do Cafezal, que soma cerca de 30 quilômetros, dando andamento às obras dos quatro quilômetros iniciais, que já foram concluídas, e nos sete quilômetros finais, que devem ser entregues até outubro. "Gostaríamos de obter a licença para os 19 quilômetros restantes de uma vez, mas se a proposta for de quebrar, quebramos", comentou. Ele disse que a companhia também enfrenta problemas na execução de obras de outras concessões, mas considera o caso da Regis Bittencourt o mais grave.

O plano de negócios da companhia prevê o investimento de R$ 3,5 bilhões nas concessões ao longo dos próximos cinco anos, de um plano total de aproximadamente R$ 6 bilhões que foi definido para dez anos contados a partir de 2008. Segundo Levy, a companhia possui R$ 1,3 bilhão em caixa para fazer frente ao investimento que ainda deve ser feito, e ainda conta com uma linha de financiamento de R$ 2,4 bilhões junto ao BNDES, de um total de R$ 3,7 bilhões que foram enquadrados pelo banco de fomento para apoiar os R$ 6 bilhões de investimentos previstos.

Tudo o que sabemos sobre:
OHLRégis Bittencourt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.