Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Oi é exemplo de ‘campeã nacional’ que falhou

Grupo de empresas ‘eleitas’ como apostas do governo petista inclui também JBS, Fibria, LBR e Marfrig

MÔNICA SCARAMUZZO E FERNANDO SCHELLER, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2016 | 08h23

A Oi, segundo economistas ouvidos pelo Estado, é um exemplo de caso malsucedido dentro da política de “campeãs nacionais” do governo do PT. Essas empresas, que receberam pesado apoio do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), nem sempre se mostraram capazes de galgar a posição de liderança que almejavam. A Oi, que foi criada para ser a “supertele nacional”, jamais chegou a ameaçar a hegemonia de Vivo, Claro e TIM em telefonia celular.

Entre os outros negócios que foram eleitos como prioritários, o resultado foi variado: enquanto a JBS se tornou líder global em proteína animal e a Fibria é a maior empresa de celulose do País, a LBR, de lácteos, pediu recuperação judicial e saiu do mercado. O Marfrig também tem atuado no vermelho e teve de se desfazer de ativos.

Para o professor do Insper, Sérgio Lazzarini, fazer uma política de apoio a empresas é muito difícil. “O Brasil tem tanta limitação que esse é um dos últimos programas que deveriam ser escolhidos como fundamental.” A Embraer, considerada uma das empresas mais inovadoras do País, é fruto de uma política de incentivo do governo nos anos 70, mas é considerada uma exceção.

O especialista diz que o governo tem de buscar incentivar setores ainda pouco desenvolvidos e identificar o potencial de determinados empreendedores em competir globalmente. Para ele, o BNDES tem de fomentar investimentos, mas deve cobrar resultados por desempenho.

Professor de economia da Fundação Dom Cabral, Rodrigo Zeidan afirma que a política de campeãs nacionais não parece ter focado em setores estratégicos, mas sim em empresas que mantinham boa relação com o governo.

“Na época da bonança, todo mundo achava que os Brics (grupo de países emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia, China) seria a salvação da economia global. Agora, está cada vez mais claro que as instituições dos Brics não funcionam.”

Sem eleitos. Em entrevista ao Estado, em 2013, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, afirmou que a promoção da competitividade de grandes empresas brasileiras era uma política que havia se exaurido. Coutinho contestou, à época, o termo “campeãs nacionais”. Procurado pela reportagem, o BNDES informou, na sexta-feira, que associar o banco a campeãs nacionais pressupõe que há privilégios a poucas empresas, o que seria incorreto. Levantamento do banco aponta que, das 100 maiores empresas brasileiras, 91 receberam apoio da instituição. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.