Oi entregará 'plano preliminar' para a Anatel

A Oi, uma das operadoras de telefonia celular impedidas de vender novas linhas a partir de segunda-feira, pretende apresentar no início da próxima semana um "plano preliminar" de investimentos para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A ideia é tentar reverter o mais rápido possível a punição do órgão regulador.

BRASÍLIA, SÃO PAULO, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2012 | 03h03

Com vendas suspensas em cinco Estados, que respondem por aproximadamente 5% de suas vendas totais, a Oi designou uma equipe específica para montar um plano de ação e atender às exigências da agência reguladora para melhoria no atendimento e cobertura de telefonia celular. A diretoria da empresa foi recebida na manhã de ontem e voltará a se reunir com a superintendência da agência reguladora no início da próxima semana.

"A Oi vai otimizar o ritmo de seus investimentos em 2012 e reitera seu compromisso de continuar investindo maciçamente no setor de telecomunicações brasileiro", divulgou a companhia. Antes da punição, os investimentos programados para este ano chegavam a R$ 6 bilhões.

Em entrevista ao Estado, o vice-presidente de planejamento da operadora, João de Deus Pinheiro de Macedo, afirmou que a punição aplicada às empresas de telefonia celular está dentro do escopo de ação da Anatel, cuja responsabilidade é fiscalizar o bom andamento dos serviços no País. No entanto, ele disse que a medida foi surpreendente porque interferiu na escolha do consumidor de se tornar ou não cliente de uma determinada operadora.

Macedo também afirma que, com quatro operadoras de telefonia móvel, o Brasil tem um dos mercados mais competitivos para o setor no mundo. "As empresas oferecem cada vez mais vantagens, o que permite que o cliente migre de operadora de acordo com as ofertas", explica o executivo. "Na maioria dos grandes mercados mundiais, há só duas ou três operadoras."

Colaboração. Na avaliação do superintendente de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos, a empresa não questionou a decisão punitiva aplicada pelo órgão. "A Oi foi muito proativa na reunião", disse. "Eles mostraram empenho e interesse em cumprir os parâmetros de qualidade que a Anatel deseja." / A.W. e F.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.