finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Oi inicia hoje processo de recompra de ações

Objetivo da empresa, que poderá gastar cerca de R$ 10 bilhões com toda a operação, é simplificar sua estrutura societária

Nilson Brandão Junior, O Estadao de S.Paulo

24 de julho de 2007 | 00h00

O Grupo Oi (ex-Telemar) inicia hoje um processo de recompra de ações preferenciais (sem direito a voto) dos minoritários. A oferta pública de aquisição (OPA) de hoje valerá apenas para as ações da Telemar Norte Leste (Tmar), que atua na telefonia fixa e é controladora da operadora celular Oi. A recompra das ações preferenciais da Tele Norte Leste (TNLP)- holding que tem mais de 80% da Tmar - foi adiada para 14 de agosto, porque a Securities and Exchange Commission (SEC), a CVM americana, não se manifestou ainda sobre a operação. A Tele Norte Leste tem ADRs (recibos de ações) negociados em Nova York.No caso da operação de hoje, segundo uma fonte, o valor da compra das ações pode chegar a R$ 750 milhões, caso todos os papéis preferenciais da operadora sejam eventualmente comprados ao preço ofertado, de R$ 52,39. Acontece que a cotação desse papel ontem chegou perto de R$ 60,00 e especula-se se os controladores avançariam ou não no valor inicialmente oferecido, o que é possível dentro do leilão.A mesma fonte estima que a compra total dos papéis preferenciais da TNLP atingiria cerca de R$ 9 bilhões, levando-se em conta o valor oferecido pelos controladores. Com isso, o valor total do negócio chegaria perto de R$ 10 bilhões.De maneira simplificada, essa operação tem o objetivo de simplificar a estrutura societária do Grupo Oi. O analista de telecomunicação da ABN Amro Real Corretora, Alex Pardellas, avalia que uma estrutura mais simplifica facilitaria uma futura eventual fusão com a Brasil Telecom (BrT), ''''se e quando houver mudança na legislação''''. Nesse sentido, a própria BrT teria de avançar também em um processo de simplificação societária.Esse processo já foi parcialmente iniciado com o acordo para a venda da participação da Telecom Italia na Solpart, dona de 51% do capital ordinário da BrT, para os fundos de pensão Previ, Petros e Funcef. O assunto deverá estar definido dentro de aproximadamente 60 dias. Nesse período, a Techold, sócia da Telecom Italia dentro da Solpart, definirá se exercerá o direito de preferência para a compra da mesma fatia de capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.