Oi promete retomar oferta plena de serviços

A Oi afirma, em comunicado enviado nesta quinta-feira ao mercado, que já está trabalhando na elaboração do plano a ser apresentado para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) com o objetivo de voltar o mais rápido possível à oferta plena dos seus serviços nos Estados afetados pela suspensão imposta pelo órgão regulador.

AE, Agencia Estado

20 de julho de 2012 | 13h31

A empresa afirma ainda que a análise elaborada pela Anatel para suspender a venda de novas linhas pela empresa não levou em conta a "evolução recente percebida na prestação dos serviços". "Os dados não consideram o esforço e a concentração de investimentos realizados nos últimos 12 meses. A empresa acredita que o caminho para o desenvolvimento sustentável do setor de telecomunicações depende de um diálogo com propostas positivas, que possam assegurar a manutenção da evolução concreta que o setor tem vivenciado nos últimos 10 anos", afirma.

Ontem a Anatel suspendeu a comercialização de novas linhas do serviço móvel da Oi, a partir da próxima segunda-feira, nos Estados do Amazonas, Amapá, Mato Grosso do Sul, Roraima e Rio Grande do Sul.

A Oi esclarece que a medida cautelar da Anatel se restringe somente à venda e à ativação de novos chips de telefonia móvel nestes Estados e que as recargas de créditos continuarão a ser vendidas e que o serviço de telefonia móvel continuará sendo prestado normalmente para toda sua base de clientes pré e pós-pago, bem como os serviços de telefonia fixa, banda larga e TV paga.

A operadora diz ainda que manterá o diálogo com a agência, "já que a companhia entende, pelas informações recebidas até o momento, que o parâmetro que fundamenta a análise da agência não reflete os investimentos maciços realizados em melhorias de rede".

Segundo a Oi, os dados divulgados pela agência não refletem, por exemplo, a situação real do Rio Grande do Sul, onde a Oi investiu nos últimos 24 meses quase R$ 540 milhões. Desse montante, cerca 50% foi destinado à expansão e à modernização da rede de telefonia móvel.

A empresa afirma que, em todo o Brasil, está investindo R$ 6 bilhões neste ano. "O montante é superior em mais de R$ 1 bilhão ao valor investido em 2011 (R$ 4,959 bilhões) e quase o dobro dos investimentos realizados em 2010 (R$ 3,09 bilhões)." O plano estratégico de quatro anos da Oi prevê investimentos totais de R$ 24 bilhões, no período de 2012 a 2015.

O plano de investimentos nos Estados do Norte do País somou R$ 240 milhões em 2011, de acordo com a operadora. "Vale ressaltar que a companhia, que é a principal investidora nesses Estados, encontra dificuldades para implantação de sua rede na região, devido a rompimentos de cabos por obras, quedas de energia e altos índices de vandalismo e furto de cabos e baterias", diz. No Mato Grosso do Sul, o crescimento dos investimentos também se concretiza, com previsão de mais 20% de aumento em relação a 2011, afirma.

Tudo o que sabemos sobre:
operadorassuspensãoOi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.