Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Oi propõe remuneração de executivos superior à de rivais

Companhia prevê pagar R$ 15,3 milhões a cada um de seus três diretores estatutários em 2017: remuneração é mais de quatro vezes superior à estimada pelas rivais Vivo e Tim

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2017 | 05h00

Apesar de ser alvo da maior recuperação judicial do País e de ter fechado 2016 no vermelho, a Oi pretende pagar, em média, R$ 15,3 milhões a cada um de seus três diretores estatutários em 2017. A remuneração é mais de quatro vezes superior à estimada pelas rivais Vivo e Tim.

O total a ser pago pela Oi aos executivos deve somar R$ 45,8 milhões caso o valor seja aprovado na assembleia do dia 28 de abril, contra R$ 10,9 milhões na Vivo e R$ 27,2 milhões na Tim, que tem cinco diretores a mais.

A proposta de pagamento aos diretores da Oi este ano inclui uma remuneração fixa composta por R$ 10,3 milhões em salário, R$ 2,7 milhões em benefícios diretos e indiretos, além de R$ 9,3 milhões de INSS. Outra fatia virá de remuneração variável. Nessa conta entram R$ 21,6 milhões estimados em bônus ou R$ 7,2 milhões por cabeça. Além disso, há R$ 1,3 milhão de remuneração baseada em ações e R$ 562,2 mil de pós-emprego (previdência privada).

Mesmo na bancarrota, em 2016 a operadora pagou R$ 31,5 milhões à diretoria, sendo R$ 12 milhões em bônus. Caso os valores para 2017 sejam referendados, a remuneração a ser paga aos diretores terá um salto de 45,5%. O bônus, usado para premiar profissionais pelo cumprimento de metas, será 79% mais alto, embora a operadora tenha fechado 2016 com prejuízo de R$ 7,1 bilhões.

A diretoria da Oi busca aprovar uma nova versão de seu plano de recuperação judicial, mas enfrenta a resistência de credores. Paira ainda sobre a companhia uma possível intervenção do governo por meio da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A Oi foi procurada, mas preferiu não comentar.

A comparação entre os valores pagos pelas três operadoras é uma ferramenta importante para o investidor tomar suas decisões. Pelas regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), companhias abertas deveriam informar não só a remuneração média, mas a máxima e a mínima de seus administradores. No entanto, dezenas delas omitem o dado com base em uma liminar.

Ativista da área de governança e investidor, o ex-diretor da Previ Renato Chaves calculou a média por diretor a partir da remuneração total prevista para 2017 informada nos manuais de assembleia e formulários de referência de 34 companhias. Em guerra contra a sonegação de informações, ele instigou a CVM a apurar se há conflito de interesse na decisão de 28 companhias abertas de ocultarem os valores detalhados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.