Oi reverte prejuízo e lucra R$ 444 milhões no 2º trimestre

Empresa diz que, mesmo com entrada da Portugal Telecom, processo de simplificação societária continua suspenso

Sabrina Valle / RIO, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

Depois de anunciar na quarta-feira a entrada da Portugal Telecom (PT) em seu bloco de controle, a Oi informou que seu lucro líquido somou R$ 444 milhões no segundo trimestre de 2010, revertendo o prejuízo de R$ 146 milhões registrado no mesmo período do ano passado. No primeiro trimestre, o lucro havia sido de R$ 496 milhões.

O diretor de Finanças e Relações com Investidores da Oi, Alex Zornig, atribuiu a queda de cerca de R$ 50 milhões no lucro da empresa entre o primeiro e o segundo trimestres à alta de juros da economia, que elevaram as despesas financeiras da empresa.

Segundo ele, a velocidade do aumento dos juros está maior do que a velocidade da redução de dívida da companhia. "A despesa financeira subiu pois a taxa de juros no Brasil subiu", afirmou, em conferência sobre os resultados.

A dívida líquida da Oi diminuiu 3,2% no segundo trimestre, para R$ 20,9 bilhões, enquanto sua receita líquida apresentou alta de 1,3%, comparada ao mesmo período de 2009, atingindo R$ 7,394 bilhões.

Os investimentos da empresa caíram 52,6% no segundo trimestre, ficando em R$ 446 milhões. De acordo com comunicado, a empresa tem buscado otimizar o uso da rede combinada da Oi e da Brasil Telecom, adquirida em 2008, para aumentar a capacidade sem investimentos adicionais este ano.

Estrutura societária. Zornig preferiu ontem focar no balanço e não entrar em detalhes sobre a entrada da PT na Oi, anunciada na véspera. No entanto, adiantou que o processo de simplificação societária da empresa continua suspenso, mesmo com os planos de entrada da PT na companhia.

A simplificação da complexa estrutura societária do grupo, com a formação de uma única classe de ações (hoje são sete) era vista pelo mercado como uma das oportunidades que a Oi teria pela frente com a chegada dos portugueses.

"Quando não foi aprovada a simplificação societária, dissemos que a coisa estava suspensa por tempo indeterminado. Então a entrada da Portugal Telecom não muda essa decisão", afirmou o executivo.

São Paulo. Zornig também afirmou que a união da Vivo com a operadora de telefonia fixa Telesp - que será feita agora, após o acordo da PT de vender sua participação na operadora celular para a Telefônica - significará para a Oi o fortalecimento de um concorrente no mercado de São Paulo.

"É um grande concorrente", afirmou, lembrando que em conjunto as duas passarão a vender pacote de serviços integrados. "Fica mais difícil tirar os clientes da Vivo." Zornig, ressalvou, porém, que hoje a Oi já conquista poucos clientes da Vivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.