Andre Dusek / Estadão - 23/05/2018
Andre Dusek / Estadão - 23/05/2018

Nove aeroportos administrados pela Infraero ainda sofrem com falta de combustíveis

Situação está normalizada em Brasília e em Belo Horizonte, segundo concessionárias

Sandra Manfrini, Paulo Roberto Netto, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 10h57

SÃO PAULO - Dos 54 aeroportos do País administrados pela Infraero, oito ainda sofrem com a falta de combustível nesta quarta-feira (30), segundo dados da empresa atualizados até 9h20. São eles: Imperatriz (MA), São José dos Campos (SP), Uberlândia (MG), Campina Grande (PB), Juazeiro do Norte (CE), Palmas (TO), Londrina (PR), Montes Claros (MG) e o terminal aéreo Brigadeiro Protásio, em Belém.

AO VIVO: Acompanhe a greve dos caminhoneiros minuto a minuto

Nesta tarde, o aeroporto de Alagoas chegou a ficar sem combustível, mas foi rapidamente abastecido e voltou a operar de forma regular. 

Em nota, a Infraero diz que alertou aos operadores de aeronaves que avaliem seus planejamentos de voos para que cada um possa definir sua melhor estratégia de abastecimento de acordo com o estoque disponível nos terminais de origem e destino. "Os aeroportos estão abertos e têm condições de receber pousos e decolagens. Nos terminais em que o abastecimento está indisponível no momento, as aeronaves que chegarem só poderão decolar se tiverem combustível suficiente para a próxima etapa do voo", diz a Infraero.

+ Entenda a alta nos combustíveis e o protesto dos caminhoneiros

A empresa mantém a recomendação aos passageiros para que procurem suas companhias aéreas para consultar a situação dos voos. Segundo balanço atualizado da Infraero, na manhã desta quarta-feira, nos 54 aeroportos, foram registrados 25 cancelamentos de voos, o que corresponde a um total de 5,95% do programado.

+ Presidente do Sincopetro diz que abastecimento em SP está se normalizando

Brasília. O Aeroporto de Brasília, administrado pela concessionária Inframerica, não registrou nenhum cancelamento de voo nesta manhã. Até as 10h, o terminal teve 107 movimentos entre pousos e decolagens e apenas dois atrasos.

Nessa terça-feira, 30, o Aeroporto de Brasília recebeu um total de 19 caminhões de combustível, que abasteceram o terminal com 1 milhão de litros de querosene de aviação. Segundo a Inframerica, com as remessas de combustível recebidas nos últimos dias, os níveis do reservatório do terminal estão se regularizando. "A expectativa é de normalização das operações se os abastecimentos se mantiverem contínuos. Algumas medidas estão sendo realizadas para garantir os volumes dos reservatórios permaneçam estáveis", diz a concessionária em nota. 

+ Custo de medidas para caminhoneiros já chega a R$ 13,4 bi e pode subir para R$ 26,9 bi​

Porto Alegre. O Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, ainda sofre com restrições de abastecimento. Segundo a Fraport, concessionária responsável pelo terminal, os níveis atuais permitem estimar que o aeroporto tem combustível suficiente até a próxima sexta-feira, 1º. Nessa terça-feira, nove carretas com combustível abasteceram o terminal e novos carregamentos são esperados para esta quarta-feira.

Belo Horizonte. A BH Airport, que administra o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte/Confins, informa que o nível de estoque de querosene de aviação está normalizado e que todos os voos internacionais operam sem ncessidade de escala técnica para reabastecimento.  Segundo a concessionária, 16 voos cancelados para esta quarta-feira (30) foram planejados pelas companhias aéreas e os passageiros foram reacomodados em outros voos.

Florianópolis. O Aeroporto Internacional Hercílio Luz, em Florianópolis, também opera com capacidade regular até a próxima sexta-feira, 1º, informa a concessionária Floripa Airport. Para esta quarta-feira, todos os voos estão confirmados.

Greve dos Caminhoneiros AO VIVO

Acompanhe aqui outras notícias sobre a greve dos caminhoneiros minuto a minuto. 

Mais conteúdo sobre:
aeroportogreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.