ANDRE DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO
ANDRE DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO

Omar Aziz é eleito presidente da CAE e marca para dia 26 sabatina de presidente do BC

Sugestão para que a sabatina fosse realizada partiu do próprio futuro presidente. "Para termos boa relação não custa nada atender ao pedido do

Teo Cury e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 17h57

BRASÍLIA - O novo presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal, senador Omar Aziz (PSD-AM), foi eleito por aclamação durante a primeira sessão da comissão nesta quarta-feira, 13. Em seu discurso de posse, informou que a sabatina do futuro presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e de dois novos diretores da autarquia será realizada no dia 26 de fevereiro.

O senador disse a jornalistas que a sugestão para que a sabatina fosse realizada no dia 26 de fevereiro partiu do próprio futuro presidente. "Para termos boa relação não custa nada atender ao pedido do presidente do Banco Central", disse.

A sabatina coletiva tem o objetivo de dar celeridade ao processo, disse o senador. Ele informou ainda que recebeu o futuro presidente do BC em seu gabinete nesta quarta-feira. Além de Campos Neto, serão sabatinados os futuros diretores João Manoel Pinho de Mello (Organização do Sistema Financeiro) e Bruno Serra Fernandes (Política Monetária).

Para o senador, caso os nomes do presidente e dos dois novos diretores sejam aprovados, eles já poderão ser submetidos à análise pelo plenário do Senado, no mesmo dia. "O que não podemos é causar uma instabilidade do mercado. A estabilidade será dada com uma boa relação com o Legislativo e o Executivo."

Polêmica do leite em pó

Em seu discurso ao ser empossado, o senador disse acreditar que a comissão terá papel importante no momento econômico que o Brasil vive atualmente. "Espero poder em conjunto com os senhores e senhoras fazer uma pauta de debate. Iremos nos posicionar ouvindo a sociedade e segmentos", disse. 

Logo após a eleição, O senador Omar Aziz criticou a atuação do governo federal ao tratar do fim da cobrança de uma taxa extra que era aplicada sobre as importações de leite em pó da União Europeia e da Nova Zelândia.

"O ministro Paulo Guedes tomou uma medida ontem de manhã e de noite foi desfeita. O equilíbrio, a credibilidade e a segurança jurídica brasileira, tanto perante o investidor local quanto o internacional, passa por medidas a serem tomadas. O ministro da Fazenda não pode fazer uma coisa de manhã e de tarde ser desfeita. É um jogo de xadrez, tem que se ter cuidado quando se mexer uma pedra importante, todo mundo está vendo", falou a jornalistas.

O governo decidiu acabar com a cobrança de uma sobretaxa, chamada antidumping, que encarecia a importação de leite em pó da Europa e da Nova Zelândia, que estava em vigor desde 2001. A decisão, publicada na edição da última quarta-feira, 6, do Diário Oficial da União, causou reação das entidades que representam os produtores, que se beneficiavam da barreira tarifária ao produto importado.

Após pressão do agronegócio, o governo recuou e garantiu vantagens aos produtores de leite, com o aumento do imposto sobre o produto em pó importado da União Europeia, para compensar o fim da taxa de antidumping. A medida foi comemorada pelo presidente Jair Bolsonaro, na rede social Twitter, em uma derrota da equipe econômica, que era contra a manutenção dos benefícios.

"O presidente Bolsonaro, por quem eu tenho todo respeito, comemorou uma vitória em cima do governo dele. Isso não dá tranquilidade a nenhum investidor", disse o senador a jornalistas. Após forte reação da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o presidente orientou o Ministério da Economia a rever a decisão anunciada na semana passada. A área econômica ainda estuda que tratamento técnico dar à medida.

Para Omar Aziz, as "regras do jogo" não podem ser mudadas sem que seja feito um estudo aprofundado sobre o tema. "Foi o que o Temer errou na questão dos caminhões. Vocês lembram que quando houve a crise dos caminhões, ele, para dar um preço mínimo para o combustível, foi mexer em outras coisas. A economia é um jogo de xadrez. Você tem que mexer uma pedra, mas você tem que saber o que vai acontecer depois de 7, 8 jogadas", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.