coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

OMC ainda não morreu, diz cônsul dos EUA

O cônsul geral dos Estados Unidos em São Paulo, Dennis Hankins, afirmou na tarde desta segunda-feira, ao ser questionado sobre a "morte" da Organização Mundial do Comércio (OMC) como organismo capaz de realizar acordos de comércio internacional, que é difícil chegar a um consenso no organismo. "A OMC ainda não morreu. Sempre que falamos de um instituto multilateral é difícil achar um consenso. Se não temos essa oportunidade de acordos mais globais, temos que procurar acordos bilaterais", comentou, em debate da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

BEATRIZ BULLA, Agencia Estado

22 de abril de 2013 | 17h56

A embaixadora da União Europeia no Brasil, Ana Paula Zacarias, reforçou: "Continuamos a apoiar as negociações que estão em curso na OMC. Mas não podemos ficar parados e esperar que as coisas aconteçam, temos que continuar por esse caminho multilateral e bilateral", afirmou.

Hankins aproveitou o evento para afirmar que a maioria dos acordos dos Estados Unidos na América Latina é bilateral, o que não acontece no caso do Brasil. "É claro que o intercâmbio comercial entre os dois continua a crescer, mas também é fato que só 12% das nossas economias são ligadas ao comércio externo", disse o cônsul.

Ele ressaltou que, atualmente, o Brasil tem tecnologia, inovação, o que faz com que os interesses econômicos fiquem cada vez mais coordenados com os dos Estados Unidos. "Claro que ainda temos pontos de diferença, no setor agrícola, particularmente, é sempre difícil", completou. "Tarifas são importantes, mas há muitas diferenças que são barreiras não tributárias", finalizou o cônsul.

Tudo o que sabemos sobre:
OMCFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.