OMC confirma vitória do Brasil na briga do algodão

A Organização Mundial do Comércio (OMC) confirmou a decisão que condena o governo dos EUA de ajudar os produtos de algodão, dizendo que muitos dos programas de Washington incluem subsídios ilegais de exportação ou pagamentos domésticos que são mais elevados do que o permitido pelas regras do órgão. O corpo de apelação da OMC rejeitou uma tentativa dos EUA de reverter a decisão de setembro de 2004 de um painel independente de especialistas em comércio que deliberou sobre uma queixa do Brasil. EUA não se entregamOs Estados Unidos, apesar de derrotados na disputa do algodão contra o Brasil, deixam claro que não pensam em simplesmente acatar a decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC). Em entrevista ao Estado, o principal negociador agrícola da Casa Branca, Allen Johnson, não conseguia esconder sua decepção com o resultado, mas alertou que uma solução final para o caso terá de ser negociada. "Não acredito que disputas sejam a melhor forma de lidar com esses problemas", afirmou. Washington afirmou que espera tratar a questão dos subsídios no âmbito das negociações da Rodada de Doha, que ainda estão sem uma data precisa para ser concluída e em pleno estado de paralisia, como ficou demonstrado ontem durante a reunião entre 30 ministros no Quênia. Um comunicado do escritório comercial dos Estados Unidos, conhecido como USTR, aponta na mesma direção dos comentários de Johnson. "Somos a favor de negociações, não de disputas", afirmava o texto, que também defende uma solução sobre o caso do algodão nas negociações que estão sendo conduzidas nesse momento na OMC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.