OMC: crise enfraquece alta do comércio internacional

A crise internacional afeta o comércio. Dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) apontam que a desaceleração nas economias ricas em 2008 não conseguirá ser totalmente compensada pelas economias emergentes e o comércio deve ter o pior momento nos últimos seis anos, com uma alta de apenas 4,5%. Para a OMC, as taxas deste ano devem ser comparadas ao desempenho dos anos 80 e o forte crescimento dos emergentes conseguirá, na melhor das hipóteses, apenas amortecer um enfraquecimento ainda mais forte no comércio. "Diante dessas constatações, só podemos mesmo é enfatizar que a Rodada Doha precisa ser concluída para que um novo impulso no comércio seja dado" afirmou o embaixador do Brasil na OMC, Clodoaldo Hugueney. "Vivemos momentos de incerteza para a economia global", afirmou o diretor-geral da OMC, Pascal Lamy. Lamy garante que a crise internacional por enquanto não gerou uma redução de comércio e que o único efeito tem sido a queda no ritmo de crescimento. Alerta, porém, que medidas protecionistas podem surgir diante do cenário que políticos estão sendo obrigados a enfrentar. Para ele, mais do que nunca o mundo precisa reforçar suas regras comerciais para lutar contra essa situação.Em 2007, o crescimento do comércio mundial já foi baixo, em cerca de 5,5% em volumes, contra 8,5% em 2006. Na avaliação da OMC, a queda nas importações dos países ricos é o principal motivo para o novo problema na economia mundial. Nos Estados Unidos, as importações aumentaram em apenas 1% em volume em 2007, a menor desde o ano de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.