OMC defende retomada completa da Rodada de Doha

Os 150 países da Organização Mundial do Comércio (OMC) defenderam nesta quarta-feira a retomada completa das negociações de livre comércio da Rodada de Doha, suspensas há seis meses devido às divisões entre os membros."Então, voltemos às negociações em Genebra", disse Pascal Lamy, diretor-geral da OMC, a embaixadores no primeiro encontro do órgão desde que as principais potências concordaram em Davos, na última semana, que é hora de retomar as conversações. "Ninguém discordou", afirmou um alto funcionário de comércio após uma reunião a portas fechadas de embaixadores do setor para discutir os acontecimentos recentes, incluindo o resultado do encontro ministerial no resort nos Alpes Suíços."As condições políticas estão mais favoráveis para a conclusão da rodada do que estiveram durante muito tempo", disse Lamy aos embaixadores. As negociações da OMC para reduzir as barreiras comerciais foram interrompidas por Lamy em julho após o fracasso das grandes potências em quebrar o impasse sobre a questão politicamente sensível do comércio agrícola.No entanto, uma série de encontros nas últimas semanas - principalmente sessões bilaterais entre os principais países e blocos comerciais, como os Estados Unidos, Brasil, União Européia e Japão - trouxe sinais de flexibilidade.Líderes políticos como o presidente norte-americano, George W. Bush, a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel - cujo país recebe a próxima reunião do G8 (grupo dos 7 países mais industrializados do mundo, mais a Rússia) - e o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, pediram veementemente aos negociadores que cheguem a um acordo.Grandes países em desenvolvimento, como o Brasil e a Índia, teriam que concordar em abrir seus mercados, principalmente indústria e serviços, mas também, no caso da Índia, os produtos agrícolas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.