Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

OMC eleva projeção de expansão do comércio global

A Organização Mundial do Comércio (OMC) elevou de 10% para 13,5% sua previsão de expansão do comércio global em 2010, qualificando o ritmo como a maior expansão anual do comércio global já registrada. "Com base na recuperação mais rápida que a esperada nos fluxos comerciais globais em 2010, os economistas da OMC revisaram para cima suas projeções de crescimento do comércio global em 2010, para 13,5%", informa a entidade por meio de nota.

RICARDO GOZZI, Agencia Estado

20 de setembro de 2010 | 16h12

Se confirmada, a previsão de crescimento representará uma forte recuperação depois de o comércio global ter diminuído 12,2% em 2009 - quando as exportações foram afetadas pela crise financeira - e equivalerá a uma recuperação efetiva do terreno perdido durante a crise.

"Esta será a mais veloz expansão em termos anuais do comércio já registrada em uma série histórica que remete a 1950", ressalta a OMC na nota divulgada hoje. "Este aumento dos fluxos comerciais oferece os meios para sair dessa dolorosa recessão econômica e pode ajudar pessoas a voltarem a trabalhar", disse o diretor-geral da OMC, Pascal Lamy.

Segundo as previsões dos economistas da OMC, as exportações dos países desenvolvidos devem expandir-se 11,5% este ano, revertendo uma queda de 15,3% em 2009. Para o resto do mundo, a expectativa da OMC é de que o crescimento atinja 16,5% em 2010, depois de uma retração de 7,8% no ano passado.

A expansão do comércio foi particularmente forte no primeiro semestre de 2010, período no qual tanto as nações desenvolvidas quanto os países em desenvolvimento recuperaram-se da pior crise econômica desde a Segunda Guerra Mundial. No entanto, a OMC adverte que a produção deve perder força no segundo semestre, quando deixam de vigorar as medidas de estímulo econômico adotadas por diversos governos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.