Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

OMC quer Lula porta-voz dos países em desenvolvimento

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Supachai Panitchpakdi, afirmou hoje à Agência Estado que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderia se tornar "o porta-voz dos países em desenvolvimento" na defesa de um comércio mais justo.O tailandês que comanda a entidade máxima do comércio internacional confirmou que está solicitando que o governo brasileiro tome a iniciativa de insistir com os líderes mundiais sobre a necessidade de se derrubar as barreiras ao comércio para que países em desenvolvimento possam "superar suas dificuldades".Esta semana, Supachai esteve reunido com o ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, em Genebra, e aproveitou para pedir a ajuda do Brasil para convencer outros países em acelerar as negociações da Rodada de Doha, lançada em 2001. A rodada, que deveria ser concluída em 2005, está praticamente paralisada diante da falta de acordo entre a maioria dos países.Os europeus não aceitam a proposta feita pela OMC de se eliminar os subsídios à agricultura em nove anos a partir de 2005. Já os japoneses são contrários ao ritmo da queda das tarifas dos produtos agrícolas. Para o governo brasileiro, assim como para outros países em desenvolvimento, quanto mais tempo se levar para concluir as negociações, mais tempo continuarão sofrendo os efeitos negativos do protecionismo nos países ricos."Pedi ao governo brasileiro que através de seu presidente Lula explique ao G-8 (grupo das oito maiores economias do mundo) e a outros líderes por que é que o mundo em desenvolvimento precisa tanto de resultados na OMC", afirmou.A reunião do G-8 ocorre nos primeiros dias de junho, no balneário francês de Evian. Além da participação dos oito chefes-de-estado, o G-8 contará neste ano com a participação de outros países como a Índia, China e Egito, além do Brasil.

Agencia Estado,

09 de maio de 2003 | 14h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.