Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Onda de demissões no Comperj atinge mais 600 operários

Sem receber da Petrobrás, consórcios já demitiram 900 operários desde a última semana e planejam dispensar pelo menos mais 1,6 mil

ANTONIO PITA , O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2015 | 02h04

RIO - A onda de demissões no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) atingiu nesta terça-feira,13, os operários do consórcio TE-AG, formado pelas empresas Techint e Andrade Gutierrez. Ao todo, 600 trabalhadores foram dispensados após uma assembleia realizada com todos os funcionários do grupo. Desde a última semana, cerca de 900 trabalhadores já foram demitidos, e os consórcios que compõem o projeto planejam ainda demitir pelo menos mais 1.600.

As demissões estariam relacionadas à dificuldade de receber pagamentos da Petrobrás por aditivos contratuais. Segundo um funcionário presente à assembleia, as demissões foram justificadas pelo consórcio como "em função da situação da Petrobrás". O funcionário afirmou ainda que "outras empresas e consórcios também estão sem receber" recursos.

A estatal nega que tenha débitos em contratos do Comperj. Em nota, a Petrobrás informou que "está em dia com suas obrigações contratuais" e que os "pagamentos de seus compromissos reconhecidos com as empresas que atuam no Comperj foram realizados com os prazos estabelecidos contratualmente". O consórcio, por meio da Andrade Gutierrez, informou que "o fluxo de contratações e desligamentos do consórcio TE-AG segue o andamento normal previsto no cronograma proposto pelo cliente".

Os trabalhadores do consórcio foram surpreendidos com a notícia de que haveria uma reunião em um sítio próximo ao Comperj. No local, executivos formalizaram as demissões, que atingiram operários de montagem, técnicos de construção civil, ajudantes e também supervisores. Cerca de 300 funcionários ainda permanecem na empresa.

Na última semana, o consórcio CPPR, formado por Odebrecht, Mendes Junior e UTC, demitiu 236 pessoas. Até o final do mês, serão mais 1.600 trabalhadores, segundo o consórcio. As empresas informaram que as demissões atendem ao cronograma do projeto, que atingiu 92% de avanço.

Paralisação. Ontem, o acesso ao Comperj foi novamente bloqueado por trabalhadores da empresa Alumini. Ao todo, 2,9 mil trabalhadores estão sem receber desde dezembro, quando a empresa teve as contas bloqueadas por uma decisão judicial em Pernambuco, em razão das demissões de 4 mil funcionários da Refinaria Abreu e Lima.

No acesso ao Comperj, o policiamento foi reforçado para evitar o bloqueio. A Petrobrás tem recorrido à escolta para conseguir transportar seus funcionários ao canteiro de obras.

As empresas e consórcios questionam a atuação da Petrobrás no caso e dizem que já acumulam prejuízos que podem levar a um "desequilíbrio financeiro" dos contratos por causa da parada na produção. As empresas alegam que os dias parados não são ressarcidos pela estatal.

Em nota, a Petrobrás informou que "é das empresas contratadas a responsabilidade de honrar com os contratos por elas celebrados", mas "acompanha as negociações e espera um desfecho adequado para ambas as partes".

Tudo o que sabemos sobre:
ComperjPetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.