O´Neill mostra-se ´satisfeito´ após conversa com Lenicov

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Paul O?Neill, disse ter ficado ?satisfeito? com a conversa que teve nesta terça-feira com o ministro da Economia da Argentina, Jorge Remes Lenicov. Falando por intermédio de um porta-voz, o secretário do Tesouro manifestou-se ?encorajado com o compromisso do ministro Remes de um engajamento construtivo entre a Argentina e o Fundo Monetário Internacional durante sua visita?.O?Neill, que comandou a atitude dura de Washington em relação à Argentina, nos últimos meses, manifestou sua esperança de que o presidente Duhalde desenvolva um plano sustentável. Lenicov não fez nenhuma declaração.Mas o porta-voz do governo argentino, Eduardo Amadeo, que o acompanhou , disse ter ficado ?muito otimista? com o reinício das negociações para um acordo formal com o FMI, depois dos encontros que Remes Lenicov teve com O?Neill e com os dirigentes do FMI.Amadeo não disse quando elas começarão e ressalvou que os entendimentos ?levarão um bom tempo?. As duas declarações confirmaram o que se esperava da visita de Lenicov a Washington: depois de meses de gelo nas relações com o Fundo e o Tesouro, a Argentina abriu a porta para a busca de um entendimento.?Tivemos um diálogo extremamente simpático?, disse Amadeo, depois da conversa de Lenicov com O?Neill. Mas o início de negociações formais, que resultem num apoio financeiro que a Argentina deseja e precisa receber do FMI, terá que amadurecer nas próximas semanas, com a adoção e execução de medidas que ajudem a reconstruir a confiança no país e nas autoridades.Mas o alto funcionário evitou perguntas específicas , dizendo que as conversas não desceram a detalhes do orçamento que o governo Duhalde apresentou na semana passada. O Fundo e o Tesouro acham a proposta pouco realista. Amadeo adiantou que o FMI anunciaria nesta terça ou quarta a agenda das negociações. O FMI não confirmou essa informação.Além de Koehler, com quem almoçou, e de O?Neill, Lenicov reuniu-se com os dois principais operadores das relações entre a comunidade financeira oficial e a Argentina: a primeira vice-presidente do FMI, Anne Krueger, e o subsecretário do Tesouro, John Taylor.O ministro encerra sua visita a Washington nesta quarta com mais conversas no FMI, um almoço com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Enrique Iglesias, e um encontro com o presidente do Banco Mundial, James Wolfensohn. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.