coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

ONS arma esquema para evitar apagão durante jogos do Brasil na Copa

O Operador Nacional do SistemaElétrico (ONS) está tomando medidas preventivas para evitarapagão acidental durante o período dos jogos da Copa do Mundo.As usinas hidrelétricas de todo o País serão reprogramadas parasuprir a demanda adicional de energia que haverá durante amadrugada, quando se realizará a maioria das partidas.A principal preocupação dos técnicos do ONS é atenderaos acréscimos bruscos de carga que ocorrem antes do início dosjogos, nos intervalos e ao final. Enquanto ao longo do jogoapenas os televisores e a luz residencial são mantidos ligados,nos períodos de intervalo espera-se que as pessoas utilizem emmassa seus aparelhos eletrodomésticos e, ao final, o aquecimentoelétrico para banho.Para a estréia da seleção brasileira, na segunda-feira,os operadores estão prevendo um aumento de 15% na carga normal(5.219 megawatts) ao longo dos 20 minutos anteriores ao iníciodo jogo, às 6 horas. Desse modo, a cada minuto, o sistemaelétrico terá de garantir um acréscimo de consumo equivalente àdemanda de uma cidade do porte de Vitória, capital do EspíritoSanto.No intervalo da partida, o aumento de carga poderá serde 1.400 MW em apenas um minuto, o que exigirá que se supraenergia para atender a uma cidade do tamanho de Curitiba (PR).Para evitar qualquer sobrecarga, o ONS vai aumentar o número deunidades geradoras sincronizadas e fazer uma programaçãoespecial de intercâmbio de energia entre regiões. Após cada jogo os técnicos do órgão divulgarão relatórios específicos,indicando o comportamento verificado em comparação ao esperado.Na Copa de 1998, o ONS também antecipou-se às mudançasde hábito dos consumidores, mas a natureza das adaptações foibastante diferente. As partidas ocorriam geralmente durante atarde e, nesse caso, a demanda total caía devido à paralisaçãodas atividades industriais e comerciais. Agora, ao contrário, oconsumo total vai crescer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.