ONS: consumo de energia cresce 4,7% em 2007

O consumo de energia subiu 4,7% em 2007, segundo balanço preliminar divulgado hoje pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O valor é menor do que os 5,4% projetados na última quarta-feira pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e pode sinalizar uma mudança de patamar no mercado brasileiro de energia, avaliam técnicos do ONS. Pela primeira vez, o crescimento do consumo ficará abaixo da expansão do PIB, o que pode indicar uma maior participação de segmentos não intensivos em energia na economia brasileira.O balanço do ONS aponta que a carga de energia no País - dado que inclui consumo e perdas de eletricidade no sistema - atingiu os 49.706 megawatts (MW) médios em 2007, contra 47.473 MW médios em 2006. O comportamento do consumo tem grande influência do subsistema Sudeste/Centro Oeste, que representa 62% da carga de energia do País e teve crescimento de 5% durante o ano. Segundo avaliação do ONS, a alta foi provocada pela expansão da renda do consumidor, que movimentou a economia nas duas regiões.Para o operador do sistema elétrico, serão necessários novos estudos para descobrir as razões do descolamento entre o crescimento do consumo de energia e o restante da economia, mas a mudança de metodologia do PIB e o aumento da auto produção de energia por grandes consumidores também são fatores que podem explicar a questão. Em seu planejamento de longo prazo, a EPE trabalha com a evolução do consumo de energia entre 1 e 9 pontos porcentuais acima do PIB, dependendo do cenário.O levantamento do ONS aponta crescimento no consumo de energia em todas as regiões. A maior alta ocorreu nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, seguida pelo Nordeste, com 4,8%, impulsionado pelo desenvolvimento econômico regional provocado pelos programas sociais do governo. No Sul, o crescimento na carga de energia foi de 4%, com forte influência da retomada da produção agrícola. Já no Norte, o aumento foi de 3,7%, também com reflexos dos programas sociais, acrescidos do crescimento do consumo industrial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.