ONS faz alerta sobre problemas no fornecimento de energia

O presidente do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Mário Santos, fez hoje um alerta para o risco de problemas no fornecimento de energia nos próximos dois ou três ano, caso não sejam retomados os investimentos nas redes de transmissão das distribuidoras. Segundo ele, as empresas não estão acompanhando a ampliação do sistema nacional de transmissão de energia, o que gera risco de perda de qualidade no fornecimento. "Pode haver sobrecarga de transformadores e redução da confiabilidade do sistema", alertou. Uma resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de 2002 definiu que os investimentos na chamada subtransmissão - rede de energia de baixa tensão, que capta a eletricidade entregue pelas grandes transmissoras de energia - são de responsabilidade das distribuidoras. As empresas, porém, alegam que este investimento não consta do contrato de concessão e, por isso, deveria ser repassado aos consumidores. O impasse pode piorar a situação das redes das distribuidoras, que já está defasada, segundo especialistas. "A Aneel já detectou sinais de descompasso nas obras. O setor de subtransmissão não está bem", afirmou Santos. "Podemos cair na armadilha de ter geração, transmissão e não ter rede para que a energia chegue ao seu fim, que é o consumidor", completou o executivo. A transmissão de energia vem crescendo 3% ao ano, segundo Santos, e tem nova licitação de linhas marcada para 23 de setembro. Serão 1,78 mil quilômetros divididos em 11 trechos. Ontem, a ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, anunciou que outra licitação será lançada no fim do ano. Modelo Mário Santos fez duras críticas aos opositores do novo modelo do setor elétrico durante palestra na conferência Energy Summit, no Rio. Ele acusa os que criticam o modelo de defenderem seus próprios interesses, em detrimento dos interesses do País. "Ontem a gente viu aqui exemplos de pessoas brilhantes, mas que precisam desenraizar, mudar de opinião", disse ele, que elogia a "lógica" do modelo proposto pelo governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.