ONS projeta chuvas fracas nas principais bacias do País

Chegada de frente fria não deve melhorar nível dos reservatórios

WELLINGTON BAHNEMANN, Agência Estado

14 de fevereiro de 2014 | 19h21

A perda de força da massa de ar quente, que atua desde a segunda quinzena de dezembro de 2013 nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, e a chegada de uma frente fria a partir deste sábado, 15, não devem provocar chuvas fortes nas principais bacias hidrográficas do País. A nova revisão do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), publicada no final da tarde desta sexta-feira, 14, trabalha com a previsão de chuvas fracas na bacia do Rio Tietê e pancadas nas bacias dos Rios Grande, Paraíba do Sul e Paranaíba, as mais importantes do sistema.

Segundo o operador, as chuvas fracas também ocorrem neste fim de semana nas bacias dos Rios Uruguai e Jacuí, na região Sul. Por conta desse cenário, o ONS reviu para baixo as suas previsões para a energia natural afluente (ENA), que é a vazão dos rios transformada em energia. No PMO da sexta-feira da semana passada, as ENAs estimadas para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste para o mês de fevereiro eram de 42% e 27% da média histórica, respectivamente. No PMO publicado hoje, os valores caíram para 37% e 26%, respectivamente.

"Com relação às afluências médias mensais, cabe destacar que a previsão para fechamento do mês de fevereiro na revisão 2 do PMO indica que o subsistema SE/CO deve apresentar o 2º pior mês de fevereiro do histórico de 84 anos, e que no subsistema Nordeste deverá ser observado o pior mês de fevereiro desde 1931", informou o operador. Nesta quinta-feira, 13, os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste fecharam com um nível de armazenamento de 35,89%. No Norte, o volume armazenado era de 42,49%.

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAABASTECIMENTOONSCHUVAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.