ONS reduz para 88% da média histórica a previsão da ENA no Sudeste em abril

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgou nesta quinta-feira, 02, a primeira revisão das projeções de chuvas e nível de reservatório para o mês de abril, e os números divulgados hoje apresentam condições menos favoráveis do que aquelas previstas na sexta-feira passada. A expectativa em relação à Energia Natural Afluente (ENA) na região Sudeste/Centro-Oeste, responsável por 70% da capacidade de armazenamento de água do Brasil, foi reduzida de 95% para 88% da média histórica. Com isso, a previsão para o nível de água armazenada nos reservatórios ao final de abril foi revista de 34,9% para 33,2% da capacidade. O informativo divulgado pelo ONS sempre no último dia da semana foi publicado nesta quinta em função do feriado de sexta-feira Santa.

ANDRÉ MAGNABOSCO, Estadão Conteúdo

02 Abril 2015 | 16h21

A expectativa para o volume de chuvas na região Nordeste, onde a situação de armazenamento também é grave, ficou igualmente pior no decorrer da última semana. O ONS agora projeta que a ENA do mês de abril será equivalente a 59% da média de longo termo (MLT), abaixo da previsão de 62% divulgada na sexta-feira passada. Com isso, o nível dos reservatórios deve chegar ao final do mês em 27,9%.

A previsão do ONS para as duas regiões sugere que o volume de água armazenada não apresentará expansão importante no decorrer das próximas semanas. Dados de ontem indicam que a região Sudeste/Centro-Oeste registrava 28,81% do volume de armazenamento, acima dos 23,70% do Nordeste. Confirmadas as projeções de hoje, portanto, os reservatórios das regiões SE/CO e Nordeste crescerão menos de cinco pontos porcentuais ao longo do mês.

A situação nas regiões Sul e Norte, por outro lado, continua mais favorável. O ONS elevou a previsão de ENA no Sul no decorrer de abril de 88% para 115% da MLT. No Norte, o número foi elevado de 87% para 91% da média histórica.

O nível dos reservatórios, com isso, deve chegar ao dia 30 de abril com o equivalente a 44,8% e 80,2% da capacidade de armazenamento, respectivamente. Ontem, a região Sul registrava 39,13% da capacidade. No Norte, o número era de 63,19%.

CMO

O relatório semanal divulgado pelo ONS também informa uma revisão no preço do Custo Marginal de Operação (CMO) para os quatro subsistemas na semana de 4 a 10 de abril. Nas regiões Sudeste/Centro-Oeste, os indicadores subiram 6,1% e atingiram 916,06/MWh. Na região Nordeste, a alta foi de 5,6%, para R$ 819,76/MWh. No Norte, o indicador cresceu 65,7% e atingiu R$ 92,03/MWh.

Dessa forma, o CMO permaneceu abaixo do preço limite de R$ 1.420,34/MWh estabelecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Segundo parâmetros estabelecidos pela agência reguladora, sempre que o custo de operação estiver acima deste limite, o consumo de energia deve ser reduzido em 5%. A medida, contudo, nunca chegou a ser adotada, apesar de a barreira ter sido rompida em outras oportunidades.

Como o CMO é o balizador para o preço de liquidação das diferenças (PLD), e como há um limite no valor do PLD ao teto de R$ 388,48/MWh, não é esperada qualquer mudança no valor do PLD para a próxima semana nas regiões Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Nordeste. No caso da região Norte, certamente o número ficará abaixo do teto do PLD. A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) é a responsável pela divulgação do indicador.

Carga

O ONS também elevou de 0,3% para 0,7% a alta esperada para a carga de abril, na comparação com o mesmo período do ano passado. A carga, segundo o ONS, deve ficar em 65.211 MW médios.

A carga na região Sudeste deve crescer 0,1%, revertendo expectativa negativa de 0,4% anunciada na semana passada. A carga nas regiões Sul e Nordeste terá expansão de 2% e 4,4%, respectivamente. Na semana passada, o ONS projetava 2,3% e 3,8%, respectivamente. No caso da região Norte, o ONS alterou a previsão para abril de uma retração de 5% para uma queda de 4,5%.

Mais conteúdo sobre:
energiaONSENAabril

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.