ONU rejeita apelo de Cacciola contra extradição

A Organização das Nações Unidas rejeitou oficialmente o apelo do ex-banqueiro Salvatore Cacciola para não ser extraditado de Mônaco ao Brasil. O relator especial da ONU para Tortura, Manfred Nowak, confirmou hoje que não aceitou o recurso do ex-dono do Banco Marka. Cacciola, em sua petição à ONU, alegou que não poderia ser extraditado com medo de ser torturado nas prisões brasileiras. A ONU, contudo, negou-se a impedir a extradição e o caso foi tratado como uma tentativa dos advogados de evitar a todo custo a ida de seu cliente ao Brasil. Os advogados se basearam no fato de que a ONU chegou à conclusão de que há tortura "generalizada" nas prisões do País. Mas Nowak recusou-se a considerar a possibilidade de manter Cacciola em Mônaco.Segundo a porta-voz do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, Praveen Randhawa, esse não seria um motivo para bloquear a ida do ex-banqueiro de volta ao Brasil. "O pedido não tinha base", afirmou. Ela informou ainda que isso não significa que seu caso esteja arquivado. Em novembro, o Comitê contra a Tortura da ONU poderá avaliar se de fato Cacciola está ou não sendo torturado em uma eventual prisão no Brasil. "Mas não significa que ele não será extraditado", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.