CARLOS MONTEIRO/AGÊNCIA O DIA
CARLOS MONTEIRO/AGÊNCIA O DIA

ONU revê para cima crescimento do Brasil em 2018

Economia nacional tem maior revisão entre os principais mercados do mundo

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2017 | 14h36

GENEBRA – A ONU revê para cima a projeção de crescimento da economia brasileira e agora estima uma expansão de 2% em 2018, depois de um crescimento de 0,7% neste ano. As novas projeções apresentadas pela entidade nesta segunda-feira, 11, ainda revelam que o desempenho da economia nacional ganhará força em 2019, com uma alta de 2,5%.

Em meados do ano, a entidade estimava que o crescimento seria de 1,6% para 2018. Mas a certa estabilidade obtida nos últimos meses fez os economistas da ONU elevarem a projeção. Para 2017, os números também apontam para um aumento de 0,1 pontos percentuais em comparação aos dados de meados do ano. 

Entre as maiores economias do mundo, a revisão do crescimento do Brasil é a maior, ao lado da Rússia. Na América Latina, a projeção é de um crescimento de 2% em 2018, mesma taxa registrada para a zona do euro. Nos EUA, a expansão será de 2,1% no ano que vem. 

++ Congresso libera cinco obras com pedidos de paralisação pelo TCU

Apesar da expansão, a taxa projetada pela ONU é inferior à média indicada pelos economias, recolhida pelo Banco Central. Segundo a instituição, a projeção nacional é de crescimento de 2,5% em 2018. 

Ainda assim, o crescimento brasileiro da um ponto final, segundo a ONU, a um período de forte queda na economia nacional. Em 2015, a contração foi de 3,8%, contra uma queda de 3,6% em 2016. 

++ Mercado reduz projeção para a inflação de 2017 após nova queda da Selic

A economia global, segundo o levantamento, terá um crescimento de 3% em 2017, taxa que será mantida para 2018 e 2019. O cálculo da ONU também foi revisto para cima para este ano, com uma elevação de 0,3 pontos percentuais para 2017. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.