ONU vai rever sua posição sobre uso de biocombustíveis

ONU atacou a expansão do uso do etanol no mundo, alertando que a produção tem tudo para gerar mais fome

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo, Agencia Estado

11 de março de 2008 | 16h52

Pressionada pelo Brasil, a Organização das Nações Unidas (ONU) vai rever sua avaliação sobre os impactos dos biocombustíveis. Hoje, o relator das Nações Unidas para o direito à Alimentação, Jean Ziegler, atacou a expansão do uso do etanol no mundo, alertando que a produção tem tudo para gerar mais fome e pedindo uma moratória na fabricação nos Estados Unidos e Europa. Mas fez uma ressalva: o caso da produção brasileira não tem os mesmos efeitos negativos que o etanol gerado nos países ricos. "A produção de biocombustíveis no Brasil respeita o direito à alimentação e está promovendo uma ajuda aos pequenos agricultores marginalizados a sair da pobreza", afirmou o relator da ONU diante do Conselho de Direitos Humanos da ONU. De acordo com o relatório, o biocombustível seria um fator que pode agravar a fome no mundo, que já atinge 854 milhões de pessoas. Apesar de destacar os avanços para lidar com a má-nutrição no Brasil, China e Índia, os números atuais seriam maiores que os registrados em 1996, quando existiam 800 milhões de pessoas que passavam fome. "A cada ano, seis milhões de crianças morrem de doenças ligadas à fome. Isso é inaceitável. O mundo nunca foi tão rico", afirmou Ziegler em seu relatório. Para o relatório, a expansão do etanol é "preocupante e pode ser a receita para o desastre". Seu temor é de que terras usadas para alimentos sejam dedicadas apenas para suprir usinas de biocombustíveis. Segundo a avaliação, a meta colocada pela União Européia (UE) para ter 10% de sua frota movida a etanol até 2020 vai exigir a importação do combustível dos países emergentes. O que o relator alerta, porém, é que a concorrência entre produtores de alimentos e de matérias-primas (commodities) para combustíveis pode ser prejudicial principalmente para as populações mais pobres. Reviravolta Ziegler, porém, amenizou as críticas ao Brasil diante dos países da ONU. "A situação do Brasil é diferente da americana e européia", afirmou. "Em primeiro lugar, o Brasil não está queimando milho, mas cana. Em segundo lugar, o programa de etanol do País tem um forte componente social. Está beneficiando aqueles que estavam marginalizados", afirmou, lembrando que os programas estão permitindo que os pequenos produtos de mamona, babaçu e dendê consigam comercializar seus produtos. Ele ainda elogiou os programas de etanol da Petrobras e do Pronaf, além de destacar a cooperação do Brasil com países latino-americanos e africanos para o desenvolvimento do etanol.

Tudo o que sabemos sobre:
Biocombustíveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.