Opções para reforma de imóvel financiado

O consumidor que pretende reformar o imóvel financiando a compra do material de construção deve avaliar com cuidado as opções oferecidas no mercado. A diversidade de condições e de taxas de juros do financiamento pode confundir o interessado na hora de escolher o melhor estabelecimento para fazer a compra.De acordo com o vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, o consumidor deve optar, se possível, pelo pagamento em prazos mais curtos, pois nesse caso não há cobrança de juro ou a taxa embutida é menor.Segundo pesquisa realizada pelo Estado, para parcelamento de curto prazo (menos de 12 meses) com cheque, as lojas especializadas, juntamente com a instituição responsável pelo seu sistema de financiamento, isentam o cliente da cobrança de juros. Na Telha Norte, por exemplo, o financiamento é feito por meio do Banco Panamericano e o cliente pode pagar a compra sem nenhum acréscimo em até oito vezes.Construcard é a opção para financiamentos mais longosNo caso de financiamentos mais longos, uma opção é o Construcard, cartão de débito da Caixa Econômica Federal, com crédito pré-aprovado para o trabalhador que tem renda mensal acima de 12 salários mínimos, ou R$ 1.812,00. Pelo sistema, o cliente terá de arcar com juro de 1,9% ao mês mais a variação da TR, em média 0,20% ao mês. Portanto, a taxa de juro mensal fica em torno de 2,2%.A vantagem dessa modalidade é que o consumidor pode fazer o pagamento da compra em até 24 meses, além de contar com uma carência de 6 meses para iniciar a quitação do débito, desde que pague o juro retroativo referente ao período. Vale lembrar que, para prazo de até 12 meses, a taxa de juro no mercado varia de 1,99% a 7%.Não basta avaliar apenas o juro do financiamento. O comprador deve verificar também o preço à vista do produto de seu interesse em diversos estabelecimentos. Muitas vezes, o consumidor é atraído pelo fato de a loja não cobrar juro, diz Oliveira, mas acaba pagando um preço mais alto pelo material. Veja em matéria a seguir mais informações sobre o Construcard.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.