Sheng Li/Reuters
Sheng Li/Reuters

Em visita ao Irã, secretário-geral da Opep adverte contra o 'uso político' do petróleo

Mohammed Barkindo afirmou que a organização trabalha para despolitizar o petróleo e se isolar contra a geopolítica. Irã tem enfrentado dificuldades na economia por conta das sanções dos EUA

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2019 | 06h31

TEERÃ - O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Mohammed Barkindo, advertiu contra o uso político dos mercados de petróleo em visita a Teerã nesta quinta-feira, 2, no momento em que começa um aperto nas sanções dos Estados Unidos contra o Irã.

Na madrugada desta quinta, as isenções que haviam sido dadas pelos americanos para a compra de petróleo iraniano venceram  para oito países, inclusive para o principal cliente iraniano, a China.

Durante a conferência, Barkindo afirmou que a Opep trabalha para "despolitizar o petróleo" e "isolar nossa organização contra a geopolítica", sem mencionar especificamente as sanções americanas. O Irã tem enfrentado dificuldades na economia, diante da pressão com as sanções dos EUA, após o presidente Donald Trump retirar seu país no ano passado do acordo multilateral sobre o programa nuclear iraniano, de 2015.

As sanções exacerbam uma crise econômica que, em parte, foi causada por problemas domésticos. Na noite da última quarta-feira, 1º, rumores de um eventual aumento de 150% no preço da gasolina provocaram longas filas e congestionamentos perto de postos na capital.

Autoridades dos EUA e do Irã projetam que as exportações do país podem recuar a 400 mil barris por dia neste verão local. Antes da saída dos EUA do acordo nuclear, o Irã exportava 2,5 milhões de barris por dia. /Dow Jones Newswires

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.