Opep confirma corte na produção de petróleo

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo provou a sua capacidade de surpreender nesta quarta-feira, promovendo um corte de 3,5%, o equivalente a 900 mil barris por dia, em sua produção. Em reunião formal, os delegados dos países-membros do grupo confirmaram a decisão de enxugar a oferta. O corte reverte o aumento da cota definido em abril e reduz o teto da oferta para um total de 24,5 milhões de barris. Os representantes da Nigéria afirmaram que a decisão foi necessária para prevenir um colapso dos preços em 2004, diante dos sinais de que o petróleo iraquiano começará a chegar com mais volume ao mercado mundial. "Não queremos esperar por um colapso dos preços", disse o conselho presidencial da Nigéria, Rilwanu Lukman. De acordo com analistas, o corte permitirá que o preço da cesta referencial de petróleo da Opep fique ao redor de US$ 25 por barril até o fim do ano. Ontem, o preço da cesta da Opep ficou em US$ 25,14. Produção do Iraque O corte de 900 mil barris diários na cota de produção da Opep, equivalente a 3,5% do teto produzido pelo grupo, abre espaço para acomodação de uma produção maior do Iraque, disse o ministro do Petróleo, xeque Ahmad Fahad Al-Ahmad Al Sabah. O corte reverte elevação na produção acertada na reunião de abril, para manter o mercado abastecido quando o Iraque encontrava dificuldades para retomar sua produção. O corte, se ratificado na reunião formal do grupo, reduzirá o teto da produção para 24,5 milhões de barris diários. Os dez países produtores da Opep - excluindo Iraque, o 11º - produziram 25,9 milhões de barris por dia durante setembro, segundo estimativas preliminares da Petrologistics. A Opep está preparada para cortar sua produção novamente em dezembro, se os preços caírem abaixo da banda estabelecida pelo grupo, disse o Ministro. Preços em alta O petróleo continuava, por volta das 13 horas (de Brasília), renovando as suas máximas do dia, após os ministros representantes dos países-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo terem confirmado, em plenário, a decisão de cortar a oferta do grupo em 900 mil barris. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos futuros do petróleo cru para novembro subiram US$ 1,22 (4,50%), para a máxima do dia de US$ 28,35 o barril. Na International Petroleum Exchange (IPE), os contratos futuros do petróleo brent para novembro estavam em alta de US$ 1,26 (4,94%), a US$ 26,78 o barril. Chegaram a valer US$ 26,85.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.