Opep decide por aumento de produção

Em reunião realizada ontem, os 11 membros da Opep - Organização dos Países Exportadores de Petróleo - decidiram aumentar em 800 mil barris a produção diária de petróleo do cartel. A nova cota entrará em vigor dia 1º de outubro e os membros da Opep devem reunir-se novamente em 12 novembro para avaliar, mais uma vez, as condições do mercado. A medida da organização visa a equilibrar os preços do petróleo que ultrapassaram, na última semana, US$ 35 o barril, a maior alta registrada desde a crise do Golfo, em 1990. O aumento da produção, o terceiro autorizado pelo cartel neste ano, representa 3% a mais em cima da produção atual de 25,4 milhões de barris e não inclui o Iraque. Segundo a Organização, toda vez que a cesta do produto do cartel ultrapassar US$ 28 o barril por 20 dias consecutivos, haverá automaticamente um aumento da produção para manter o equilíbrio e uma redução se o preço ficar abaixo de US$ 22 durante 10 dias. O cartel dos países exportadores espera que, com o aumento da produção em 800 mil barris diários, o preço do petróleo volte a ficar entre US$ 22 e US$ 28 o barril. O presidente da Opep, Alí Rodrigues, fez questão de frisar a soberania do cartel em relação à pressão dos mercados: "Nós (Opep) agimos conforme os interesses dos nossos países, que são soberanos e, depois, conforme as exigências do mercado."Como as oscilação do preço do petróleo afetam sua vidaQuando os países membros da Opep decidem pelo aumento da produção, significa que terá mais oferta de petróleo no mercado internacional e, portanto, uma expectativa de redução do preço do barril. Como o Brasil é um dos países importadores de petróleo, com a redução do preço, o País passará a gastar menos. Consequentemente, o preço de seus derivados diminuem também. Os principais deles são a gasolina e o diesel.Elevações dos preços dos combustíveis afetam diretamente os consumidores, que sentem no bolso quando vão abastecer seus carros. Além disso, a inflação fica pressionada, já que o combustível é um dos itens que constituem os índices de inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.