Opep deve manter produção

O Ministro do petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi, disse aos demais Ministros do Opep que apoiará a avaliação da maioria, abrindo caminho para que o cartel mantenha as cotas de produção inalteradas, disse uma fonte da organização. A reunião Ministerial da Opep ocorrerá amanhã em Osaka, Japão. O Ministro do petróleo do Kuwait, xeque Ahmed al Fajd al Ahmed al Sabah, disse esta manhã que provavelmente a atual margem de produção será mantida até o fim do ano. Ele acrescentou que o cartel deverá reunir-se extraordinariamente em dezembro para discutir novos ajustes na produção. O ministro kuwaitiano confirmou também que o ministro saudita também concorda com a manutenção da produção. De acordo com a fonte, os comentários de Naimi foram feitos em encontro esta manhã com o presidente da Opep, Rilwany Lukman, da Nigéria e com o secretário-geral do grupo, Alvaro Silva, da Venezuela. Naimi não concedeu entrevista após o encontro. A fonte também falou que os ministros consideram a possibilidade de realização de uma reunião extraordinária em dezembro, em Viena, para rever sua produção. Ao mesmo tempo em que mostrou-se disposto a apoiar a decisão majoritária do grupo, Naimi assegurou estar preocupado com o impacto sobre a credibilidade do grupo da violação das cotas em cerca de 2 milhões de barris por dia, disse a fonte. Naimi deixou claro que quer discutir nesta reunião a credibilidade do grupo em relação ao cumprimento das cotas. Todos os ministros que fizeram declaração pública sobre a perspectiva do resultado da reunião, disseram preferir que as cotas fossem mantidas. De acordo com a fonte, os Ministros têm dito que uma elevação na produção, embora tivesse efeito de formalizar o atual excedente de produção, poderia criar condições similares as que levaram os preços a caírem forte, após a reunião de novembro de 1997. Na ocasião, a cota foi elevada em 10% ao mesmo tempo em que alterações climáticas provocadas pelo El Niño e o início da crise asiática prejudicaram a demanda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.