Fayez Nureldine/AFP - 20/7/2019
Fayez Nureldine/AFP - 20/7/2019

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Opep e Rússia estendem cortes na produção de petróleo até o fim de julho

Em abril, o grupo conhecido como OPEP+ fechou acordo para reduzir a oferta em 9,7 milhões de barris por dia durante maio e junho

Agências Internacionais, Reuters

06 de junho de 2020 | 16h59

MOSCOU, DUBAI e LONDRES | A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) mais a Rússia e aliados concordaram neste sábado, 6, em estender os cortes na produção de petróleo até o fim de julho, prolongando um acordo que ajudou os preços a dobrar nos últimos dois meses, reduzindo quase 10% da produção mundial. 

O grupo, conhecido como OPEP+, também exigiu que países como Nigéria e Iraque, que excederam as cotas de produção em maio e junho, compensassem agora, com cortes extras, entre julho e setembro. 

Os países haviam anunciado inicialmente que reduziriam a oferta em 9,7 milhões de barris por dia (bpd) entre maio e junho, em uma tentativa de sustentar os preços do barril, que desabaram devido à crise do novo coronavírus. Esses cortes devem diminuir para 7,7 milhões de bpd, de julho a dezembro.

“A demanda está voltando, à medida que grandes economias consumidoras de petróleo saem da quarentena. Mas ainda não estamos fora de perigo e os desafios ainda persistem ”, disse o ministro da Energia saudita, Abdulaziz bin Salman, em uma vídeo-conferência.

O preço do petróleo cru de classificação Brent subiu para um valor acima de US$ 42 por barril, depois de ter mergulhado para um valor abaixo de US$ 20 em abril. Os preços, no entanto, ainda permanecem um terço mais baixos do que no fim de 2019.

"É esperado que os preços estejam fortes a partir da próxima segunda-feira, mantendo os níveis de mais de US$ 40 por barril", disse Bjornar Tonhaugen, da consultoria Rystad Energy.

A Arábia Saudita, principal agente da Opep, e a Rússia precisam trabalhar em conjunto para elevar os preços do petróleo a um patamar que atenda às necessidades dos dois países, sem deixar que o preço do barril fique acima US$ 50, o que poderia incentivar a produção de xisto nos Estados Unidos, que rivaliza com as produções de petróleo dos dois países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.