Christophe Viseux/The New York Times
Christophe Viseux/The New York Times

Opep fala em aumentar produção de petróleo em 2021

Com retomada da economia global, países produtores podem elevar oferta em 2 milhões de barris, diz secretário-geral

Wilian Miron, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2021 | 05h00

Diante de uma perspectiva de melhora nas economias globais em 2021, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, liderados pela Rússia, pretendem aumentar gradualmente a produção de petróleo nos próximos meses, com o retorno de 2 milhões de barris por dia (b/d).

A informação foi dada ontem pelo secretário-geral da Opep, Mohammad Sanusi Barkindo, durante reunião de comitê técnico. Hoje, representantes dos países produtores se reúnem para decidir as políticas de produção para o mês de fevereiro.

Por meio de videoconferência, Barkindo afirmou que os países participantes da chamada Opep+ estão prontos para ajustar esses níveis em função das condições e desenvolvimento do mercado. “Estamos testemunhando os estágios iniciais da vacinação da covid-19, e o progresso até agora injetou otimismo na economia. Esses desenvolvimentos promissores, em paralelo com a liderança de mercado da declaração de cooperação durante a crise, contribuíram para uma perspectiva mais saudável do mercado de petróleo para 2021”, afirmou ele.

Os países cortaram sua produção ao longo de 2020 como reflexo da menor demanda por combustíveis. Agora, Barkindo disse que os analistas da Opep+ preveem que a demanda por petróleo bruto deverá chegar a 95,9 milhões de barris/dia este ano, o que representará uma elevação de 5,9 milhões de barris. Já a estimativa de crescimento econômico mundial para o ano é de 4,4%.

O secretário-geral da Opep também destacou que continua vendo um ímpeto ascendente por petróleo na Ásia, que continua em curso para um crescimento positivo, com uma previsão de recuperação ampla da China de 6,9%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.