Opep prevê demanda menor por petróleo em 2007

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) previu nesta segunda-feira que o crescimento da demanda mundial de petróleo em 2007 será menor do que o deste ano. A conseqüência, segundo a organização, é uma "ajuda" na moderação dos preços do produto, que nos últimos dias atingiram valores sem precedentes. De acordo com o Relatório Mensal sobre o Mercado de Petróleo, analistas mantiveram as previsões sobre o crescimento da demanda para este ano apresentadas em junho, calculada em 1,4 milhão de barris diários (mbd), 1,66% maior que em 2005, o que totaliza um consumo médio de 84,6 mbd.Sobre a demanda em 2007, os analistas indicam que cresceria aproximadamente 85,90 mbd, o que representa um aumento anual de 1,30 mbd, equivalente a 1,53%. Junto ao esfriamento do crescimento da demanda, os analistas da Opep prevêem um aumento substancial da oferta dos produtores que não fazem parte da organização.A oferta de seus concorrentes - chamada "produção Não-Opep" - deve chegar a uma média de 53,1 mbd em 2007, somando 1,7 mbd à de 2006, um dos maiores aumentos "das últimas décadas". Esta média contribuiria para a redução da demanda mundial da organização, atualmente de 29 mbd, para 28,3 mbd no ano que vem.Junho Em junho, a produção total da Opep chegou aos 29,6 mbd, o que representa um aumento de 100 mil barris diários em relação ao bombeio de maio, devido às maiores extrações iraquianas, que atingiram os 2 mbd. Assim, os outros dez países que participam do sistema de cotas da organização produziram juntos 27,6 mbd, 400 mil barris diários a menos que a meta oficial vigente de 28 mbd.Ampliação da capacidade Os 11 países membros esperam conseguir uma ampliação de sua capacidade total de extração para 34,3 mbd até o final de 2007, cerca de 1 mbd a mais que a prevista para 2006. Com isso, no final do ano que vem, a capacidade excedente, de extrair barris adicionais para cobrir uma emergência, deveria ficar em 10% da total. Em 2004, esta margem ociosa ficou em 6,6% da capacidade total e em 2005 chegou a 8%, segundo a organização.Reservas O relatório destaca também que, apesar de a oferta superar a demanda e as reservas de petróleo nos Estados Unidos terem aumentado em 16 milhões de barris em junho, chegando a 1,044 bilhão de barris - 0,3% a mais que no mesmo mês de 2005 e 6% acima da média dos últimos cinco anos -, os preços do petróleo continuam em uma tendência de alta.Na última sexta-feira, o barril de referência da Opep alcançou o valor máximo de sua história, US$ 71,71, "devido à escalada de tensões internacionais", indicou o relatório de hoje. Os 11 países que formam a Opep - Arábia Saudita, Argélia, Emirados Árabes Unidos, Indonésia, Iraque, Irã, Kuwait, Líbia, Nigéria, Catar e Venezuela - controlam cerca de dois terços das exportações mundiais do produto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.