Opep prevê petróleo abaixo de US$ 100 por barril na próxima década

Opep prevê petróleo abaixo de US$ 100 por barril na próxima década

Avaliação negativa leva o grupo a considerar a possibilidade de retomar limites de produção para influenciar os mercados

Dow Jones

11 Maio 2015 | 15h29

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) não espera que os preços do petróleo operem consistentemente ao redor de US$ 100 por barril na próxima década, numa avaliação negativa que leva o grupo a considerar a possibilidade de retomar limites de produção para influenciar os mercados da commodity, segundo um esboço do último relatório de estratégia do cartel.

O documento, ao qual o Wall Street Journal teve acesso, prevê que, no cenário mais otimista, as cotações do petróleo estarão em cerca de US$ 76 por barril em 2025, refletindo preocupações da Opep de que a concorrência nos EUA conseguirá lidar com o ambiente de preços baixos e manter a oferta. O grupo contempla ainda situações em que o custo do petróleo poderá ficar abaixo de US$ 40 por barril daqui a dez anos.

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

"US$ 100 não está em nenhum dos cenários", disse um delegado da Opep na apresentação da estratégia do grupo em Viena, na semana passada.

A Opep tem mostrado dificuldades em responder à forte queda nos preços do petróleo vista desde meados de 2014, causada em parte pela significativa expansão da oferta dos EUA, graças ao óleo de xisto. Anteriormente, o grupo tendia a reduzir sua produção para diminuir a oferta e, desta forma, impulsionar os preços, em momentos de turbulência. No fim do ano passado, porém, o cartel chegou à conclusão de que um eventual corte não teria o efeito desejado.

Além disso, alguns países-membros da Opep, em especial a Arábia Saudita, ampliaram a oferta para o mercado e reduziram preços na tentativa de manter a clientela.

O relatório da Opep sugere a retomada do sistema de cotas de produção que foi abandonado em 2011, após desavenças sobre a parcela que caberia a cada país-membro. Os integrantes do grupo, no entanto, têm relutando em estipular limites por temer que possam comprometer novos negócios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.