finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Opep reduz previsão de alta da demanda mundial por petróleo

Relatório do cartel projeta aumento de 260 mil barris por dia e defende intervenções mais freqüentes no setor

Marcílio Souza, da Agência Estado,

17 de novembro de 2008 | 13h06

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) reduziu sua previsão de crescimento da demanda mundial pelo petróleo este ano em 260 mil barris por dia e, para 2009, em 270 mil barris por dia. Assim, a demanda este ano deverá ficar em 86,2 milhões de barris por dia em média, estimativa em linha com a anunciada pela Agência Internacional de Energia (AIE) na semana passada. Para o ano que vem, a Opep projeta demanda de 86,7 milhões de barris por dia, valor que é 200 mil barris/dia superior à estimativa da AIE. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  A produção da Opep, excluindo Iraque e Indonésia, somou 28,88 milhões de barris por dia em outubro, cerca de 200 mil barris por dia a menos que em setembro e 80 mil barris por dia a mais do que a meta de produção do grupo. O Iraque não faz parte do sistema de cotas da Opep e a Indonésia está deixando oficialmente o cartel no final do ano por causa da queda de sua produção.  Em seu relatório mensal divulgado nesta segunda-feira, 17, a Opep, como costuma fazer, afirmou que continuará monitorando de perto o mercado e que está pronta para "tomar as decisões necessárias" para apoiar a estabilidade. A Opep disse também que está mais preocupada com os efeitos do contágio dos problemas dos países ricos nos mercados emergentes. A maior parte da expansão da demanda mundial de petróleo advém da China, Arábia Saudita e de outros países emergentes.  Intervenções freqüentes  A Opep anunciou também que poderá ter de intervir no mercado de petróleo e cortar a produção com mais freqüência do que nos anos anteriores por causa da crise econômica global e dos preços em queda da commodity.  "Nessa situação atual extremamente volátil, são necessários um monitoramento mais próximo e uma intervenção mais freqüente", disse a Opep em seu relatório mensal. O documento é mais contundente do que o divulgado em outubro, que falava que os problemas financeiros estavam "impactando" os fundamentos de mercado. O relatório deste mês afirma que "a destruição de demanda domina" o mercado petrolífero mundial.  O consumo de petróleo da Opep, que fornece cerca de quatro de cada dez barris usados em todo o mundo todos os dias, deverá cair em 910 mil barris por dia em 2009. Isso representa cerca de 40 mil barris por dia a mais do que o previsto em outubro.  Os membros do cartel pretendem reunir-se no Cairo no dia 29. Diversos ministros e delegados do grupo disseram recentemente que outro corte de produção poderá ser anunciado neste encontro ou na reunião de final de ano, marcada para 17 de dezembro na Argélia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.