Opep vai aumentar produção em 5 mi de barris até 2012

O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Abdalla Salem el-Badri, disse que os países integrantes da organização estão investindo US$ 160 bilhões para aumentar sua produção de petróleo em 5 milhões de barris por dia até 2012, mas ressalvou que investimentos adicionais em capacidade produtiva dependerão de garantias de que haverá demanda pelo produto. Em entrevista ao jornal "The National", dos Emirados Árabes Unidos, El-Badri disse ainda que os países da Opep também estão investindo US$ 50 bilhões para aumentar sua capacidade de refino em 3 milhões de barris por dia até 2012."O progresso desses projetos é muito bom. Investir em capacidade extra é algo que os membros da Opep estão levando a sério", afirmou o dirigente. Ele acrescentou que "para além de 2012, nossos membros têm planos para um programa adicional de investimentos que poderá elevar a capacidade de produção em até 9 milhões de barris por dia até 2020". Para ele, essa segunda etapa exigiria investimentos de US$ 230 bilhões a US$ 500 bilhões.El-Badri também disse que o fato de a faixa de previsões para a expansão posterior a 2012 é muito ampla "porque a indústria de energia enfrenta muitas incertezas ao prever a demanda futura. Isso cria um grande problema para os países da Opep, já que nossos investimentos poderão resultar em capacidade ociosa, enquanto esses recursos poderiam ser investidos de outra maneira, em setores como educação, moradias e saúde".Ele acrescentou que "é claro que nós entendemos muito bem que os consumidores precisam de garantias de segurança da oferta de petróleo, mas, ao mesmo tempo, os produtores precisam ter garantias de segurança da demanda. Somente quando os produtores tiverem mais clareza quanto à tendência da demanda futura é que eles serão capazes de comprometer-se com firmeza com programas de investimento de prazos mais longos".O dirigente da Opep reafirmou as declarações da organização, de que é a especulação, e não a falta de oferta de petróleo, que tem levado às altas de preço. Ele rejeitou as declarações recentes do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, de que a oferta reduzida e a falta de investimentos estão mantendo os preços elevados. "O que estamos testemunhando não é uma tendência normal. Por isso, adicionar capacidade de produção não aliviaria a situação neste momento. É claro, quando o mercado se corrigir a si mesmo e o foco voltar para os fundamentos, a capacidade adicional deverá ajudar a estabilizar o mercado", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.