Opep vai aumentar produção em 5 mi de barris diários até 2012

Grupo investirá US$ 150 bi para aumentar oferta de petróleo, mas alerta que medida não será suficiente

Efe,

22 de abril de 2008 | 09h40

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) iniciou um conjunto de projetos avaliados em US$ 150 bilhões a US$ 160 bilhões para aumentar a capacidade de extração de petróleo do grupo em 5 milhões de barris diários (mbd) até 2012. O secretário-geral da Opep, Abdalla Salem el-Badri, deu essas informações nesta terça-feira, 22, em Roma, durante o último dia do 11º Fórum Internacional da Energia (IEF, em inglês), após prever que o mundo precisaria de 9 mbd adicionais daqui a quatro anos.   Veja também:   Petróleo em NY tem nova marca histórica, a US$ 118,05 Petróleo bate recorde e AIE pede investimentos para conter alta Rebeldes nigerianos atacam oleodutos da Shell e lançam desafio A maior jazida de petróleo do País A exploração de petróleo no Brasil    Badri lembrou que a Opep produz atualmente 32 mbd e, além disso, conta com uma capacidade adicional de extração de 3 mbd. "Estamos investindo entre US$ 150 bilhões e US$ 160 bilhões para criar cerca de 5 mbd de capacidade adicional até 2012", disse Badri. No entanto, reconheceu que há outras previsões que indicam um aumento da demanda mundial de petróleo bem maior, o que requereria um esforço de investimento muito mais alto para os treze países da Opep.   "Os consumidores nos pedem segurança do fornecimento, ou seja, que temos que investir mais e temos que acrescentar mais capacidade ao mercado. E lhes dizemos: bom, mas a segurança da provisão requer a segurança da demanda, porque agora temos dois cenários", disse o secretário-geral da organização.   "Vemos também que há uma necessidade de 9 mbd adicionais, mas, às vezes, o crescimento é mais baixo, e pode ser que no final não sejam necessários" todos esses barris adicionais, acrescentou. Segundo Badri, é preciso "saber a quantidade necessária", porque, para construir capacidade suficiente para 9 mbd adicionais, "precisamos investir US$ 500 trilhões".   O secretário-geral da Opep reconheceu também que a organização, que extrai atualmente 37% da produção mundial de petróleo, revisou para baixo as previsões sobre o aumento do fornecimento petrolífero fora do cartel.   No entanto, reiterou que a alta atual do preço do petróleo não está relacionada à falta de provisão, mas à especulação financeira com matérias-primas nos mercados de futuros, impulsionada pela desvalorização do dólar.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoOpep

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.