Opep vê pânico no mercado de petróleo e defende 'freio'

O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Abdalla Salem el-Badri, afirmou hoje que há um pânico no mercado de petróleo e defendeu que essa situação precisa ser aplacada, uma vez que não há justificativas para esse comportamento. "Não acredito que estamos em uma crise do petróleo", disse el-Badri, em entrevista à rede de televisão norte-americana Bloomberg. "Há um pânico e eu peço mais calma".Ele afirmou que o mercado de petróleo entrou em uma espiral fora de controle e que é necessário colocar um freio para interromper os fatores especulativos que estão impulsionando os preços do petróleo para muito além dos fundamentos da oferta e da demanda. "Eu gostaria de ver preços sendo atribuídos aos fundamentos do mercado. Nós temos que colocar um freio no mercado de petróleo", disse. Na sexta-feira da semana passada (dia 6), o contrato futuro de petróleo tipo WTI aproximou-se da cotação de US$ 140,00 o barril, na máxima histórica a US$ 139,12 o barril, durante sessão de negócios em Nova York. Por volta das 9 horas (de Brasília) de hoje, o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em julho subia 1,45%, a US$ 133,22 por barril no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês). As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.